Rotina

Texto inspirado na música Rotina, do rapper Emicida

​Quarta-feira de futebol quebra bem a semana quando afoga as agonia com vitória do seu time. Mas quando não é assim que decorre a noite, fica bom praquele rito esquisito com a TV no mute.

Dias que acabam mais tarde são bons para criar com o que se tinha em mente. Colocar em ordem as ideias que vieram de repente quando se ouve as conversas dos coletivos, nas moscada de final de rolê, ou lembrando dos sorrisos que a morena dá depois dos beijos roubados, por esses temas saem coisas que normalmente liberam serotonina pra quem escreve, mas pra quem lê, é só um texto.

Mas fica engraçado quando se percebe que toda mente pode ser tarantinesca nesses rituais de criação, lembrar do meme que te fez rir mais cedo pode te puxar para temas mais distintos que te deixam com feição séria, até que você cai em um devaneio denso ao lembrar que seus chegados sentem sua falta, e nenhum deles mora longe. Toda risada e densidade cai na ponta dá caneta.

Essas horas você consegue entender a voz baixa do Angenor de Oliveira em seus registros, a complexidade de Leandro Roque e até mesmo a utopia romântica (e exagerada, mais que a do Cazuza) do Tião Maia, quem cria normalmente o faz no particular, no silêncio, e a quietude que organiza nossa bagunça é sempre intensa demais, baixa, complexa, romântica e exagerada. Mas quando acaba, as costas pesam menos.

Se isso pode libertar, não há melhor hábito pra se virar rotina senão o de colocar no papel os pensamentos que precisam ficar para a posteridade.

Escute a música Rotina:

Anúncios

Top 7×7 dos melhores de 2017

Álbuns 2017 - RapEmmovi

E o ano lírico realmente chegou? O tão falado e prometido ano lírico veio para o rap nacional. Após o marco do Sulicídio a cena do rap BR teve uma ascensão. Como disse Rincon Sapiência (um dos grandes destaques deste ano), no cypher Poetas no Topo 3.1:

R.A.P, tava deprê

Não pegava um sol e nem transava

Tava longe do barraco e do apê

E na rua a resenha tava bem braba

Ele voltou, reapareceu

Seu nome tava numas boca bem paia

Tava pálido, agora já escureceu

E por falar em poetas no topo, que ano para a Pinapple! Diversos cyphers, acústicos e perfis. E muitas polêmicas também, mas vamos deixar polêmica para o ODB!

Você pode até não se identificar com muitos que estão em destaque na cena, mas tem que concordar que eles estão movimentando bastante o rap nacional.

Voltando para Sulicidio, eu vi que a música já completou um ano! Podemos classificar a cena do rap nacional como “Rap nacional antes de Sulicidio (a.s) e depois de Sulicidio (d.s) ”. Profético? Talvez.

Podemos contar a história do rap nacional a partir desse marco. Depois de tantas diss e tantas promessas de diss. Vieram os reactions e o youtube que vem pagando o almoço de muita gente, frase essa que é do álbum Regina do Nill. Que inclusive está na lista de álbuns do ano.

Antes de chegar nos álbuns do ano e nos destaques eu resolvi fazer essa breve introdução. Nosso rap está se tornando cada vez mais profissional e ganhando mais espaço. Grupos de discussão, labels, cyphers e outras mais produções vem fortalecendo o mercado do rap. Sim, mercado! Já estamos indo para 2018 e não tem o porquê você se escandalizar que um rapper ganha dinheiro com sua música. Pode parecer absurdo esse tipo de pensamento, mas é real.

Mas vamos voltar a falar do Baco, que também entrou na lista do Rap em Movimento como destaque do ano com o álbum Esú. O baiano abriu os olhos do consumidor de rap para outros estados e outras cenas que também são importantes. Vivemos em um país multicultural e o estilo musical mais do que nunca está passando por diversas mudanças. Estamos nos alimentando dos modelos da cena dos EUA, mas dando aquele toque BR. 

O que eu espero para 2018 é que o rap nacional venha se desenvolver muito mais e ter mais espaço para abrir um mercado. 

Sem mais delongas vamos aos álbuns do ano! Escolhi 7 álbuns nacionais e 7 álbuns da gringa. Por que 7? Números cabalísticos? Talvez rsrsrrs

Os álbuns estão na ordem de sua importância, para essa que vos escreve. Podem haver controvérsias, mas o álbum do Joey entra em primeiro por obter um conteúdo político muito forte e pela evolução visível do artista. Kendrick já está consagrado desde o álbum To Pimp a Butterfly. Inegavelmente o ano de 2017 foi de Kendrick, mas All Amerikkkan Badass tocou na ferida de assuntos atuais e surpreendeu muita gente!

Pensei muito para compor essa trindade, pensei em encaixar o 4:44 várias vezes, mas não poderia tirar o Bada$$ e nem o Kendrick. Mas o Flower Boy é um putaa álbum! Que álbum senhores. Tyler, o criador (para os BR), levantou polêmicas sobre sua sexualidade e nos presenteou com uma obra prima.

Da gringa

  1. All Amerikkkan Badass – Joey Bada$$
  2. DAMN – Kendrick Lamar
  3. Flower Boy – Tyler, The Creator
  4. 4:44 – Jay Z
  5. Neva Left – Snopp Dogg
  6. You Only Live 2wice – Freddie Gibbs
  7. Culture – Migos

Rincon Sapiência e Baco são os homens do ano para o rap nacional! Sem mais! Nessa trindade entra o álbum sensível do nosso querido cronista, Rodrigo Ogi. Fez até marmanjo chorar! Depois do icônico álbum RÁ!, Ogi veio com essa paulada mostrando todo seu sentimentalismo e maturidade. Um dos grandes destaques da lista também é o álbum do Primeiramente. Lançado no finzinho do ano o trampo está impecável com uns vocais pesadíssimos de NP! Me surpreendi demais com esse lançamento.

Rap BR

  1. Esú – Baco Exú do Blues
  2. Galanga Livre – Rincon Sapiência
  3. Pé no Chão – Rodrigo Ogi
  4. Heresia – Djonga
  5. Rimas e Melodias – Rimas e Melodias
  6. Na Mão do Palhaço – Primeiramente
  7. Regina – nILL

Cyphers do ano

Vida Real – Correria – Makonnen Tafari – Baco Exu do Blues – Lukas Kintê – Vandal & Ravi

Avuá – Emicida, Rael, Kamau, Coruja BC1, Drik Barbosa e Fióti

Singles destaques 

Bodak Yellow – Card B

Crew – Goldlink ft Shy Glizzy, Brent Faiyaz

CherryBlossom – Solveris

Flow de Lázaro – Froid

Retângulo de ouro lança single Águas Calmas

Aguas calmas

O grupo, formado por Alamim, Marcê e ¥€£ Aβ§trato (Daniel), explora as arestas e retas dos polígonos da nossa existência em batidas Lo-Fi e rimas afiadas .

“Águas Calmas”, seu primeiro single, reflete as angústias e as esperanças de quem navega diariamente nas águas nem sempre tão claras e calmas dos rios da vida em São Paulo. Produzido por Blackbird e lançado via Carranca Records (da cantora Larinu e do trio ATTICA!), “Águas Calmas” vem pra mostrar que o Retângulo de Ouro veio pra ficar.

 

Conheça mais sobre o grupo

Retângulo de Ouro
https://www.facebook.com/retvngulodeouro/

Carranca Records
https://www.facebook.com/carrancarecs/

 

Pedro Ratão lança a segunda parte do single “Uns amigos” com Froid, Qualy e Xama

Pedro Ratão lançou, essa semana, o clipe da segunda parte do single “Uns amigos” com participação de Froid, Pedro Qualy ( Haikaiss) e Xamã.

 

WhatsApp Image 2017-11-29 at 22.23.51
O rapper do Rio De Janeiro, representante de Santa Teresa  já vem fazendo um grande barulho no cenário Hip-Hop desde quando lançou seu primeiro disco “CREDITANDO NO BEM”. Esse disco trouxe participações de grandes nomes como Marcelo D2, Black Alien, Filipe Ret, Helio bents (Ponto de Equilibrio).
A primeira edição que teve participação de Sain, Shawlin, Qxô reuniu 2 Milhões de acesos.
Confira aqui o clipe:

Projota lança clipe de “Canção pro Tempo”

Animação de Didiu Rio Branco e Rogério Shareid conta a história da canção, que faz parte do novo álbum “A Milenar Arte de Meter o Louco”

“Canção pro Tempo” é a sexta faixa do álbum “A Milenar Arte de Meter o Louco” que ganha videoclipe oficial. Com animação produzida e dirigida por Didiu Rio Branco e Rogério Shareid, “Canção pro Tempo” narra a história de um jovem da periferia de São Paulo com o sonho de ser cantor de rap, que passa por muitas dificuldades até chegar ao sucesso.

Projota explica que “sempre quis fazer um videoclipe de animação e no Brasil temos profissionais incríveis na área”. “A música conta uma história e enxerguei o momento perfeito de fazer uma animação para contá-la de uma forma diferente dos vídeos que já produzi”, acrescenta.

As imagens aéreas que aparecem no clipe foram gravadas por um drone no bairro Lauzane, Zona Norte da cidade de São Paulo, onde Projota cresceu. “Me emocionei demais quando assisti, vendo as imagens captadas da minha antiga casa onde cresci e vivi até os 20 e poucos anos, a laje onde empinei pipa a vida toda, lugares que marcaram minha infância e juventude”, aponta o rapper.

“A Milenar Arte de Meter o Louco” foi lançado pela Universal Music em agosto deste ano. O álbum aborda questões fortes da vida do artista, principalmente “a milenar arte” dele e de milhares de jovens de periferia que “metem o louco” e superam todas as adversidades que a vida lhes impõe.

Assista aqui:

 

Krawk leva a melhor na Grande Final do CPBMC

No dia 04 de novembro aconteceu a final do Circuito Paulista de Batalhas de MC’s, foram mais 100 batalhas pelo estado para definir quem vai representar São Paulo no nacional nos dias 25 e 26 em Belo Horizonte.

O evento aconteceu em frente ao belíssimo Teatro Sérgio Cardoso e teve apresentação do Mamuti, com corpo de jurados de respeito: Marcello GuGu e Arnaldo Tifu; entre as eliminatórias das batalhas, tivemos pocket shows de qualidade do TR, Vinicin, Gabi Nyarai e do Cronica Mendes. Isso sem contar com os improvisos e boas mensagens passadas para deixar o público agitado.

Os MC’s classificados mostraram bem o porque de terem chegado até ali, maioria das batalhas tiveram um nível de qualidade muito elevado, deixando o público empolgado e querendo mais, muitos do confrontos foram tão acirrados que foi necessário terceiro round.

Dentre os 16 MC’s o grande campeão foi Krawk, que vai representar o estado paulista na competição nacional em Minas Gerais, vencendo Gabriel Barbieri, veja abaixo a chave da competição:

23231302_508719382820768_4754169065321184280_n

Confira as fotos do evento aqui.

 

OGI fincando o “Pé no Chão” do ano lírico

Não sei se 2017 é o ano lírico de fato, 2018 pode ser melhor, nunca se sabe não é mesmo? Mas o fato é que, Rodrigo OGI não poderia ficar de fora do ano que ganhou tal apelido.

Digo isso porque o cronista já tem lançado trampos de qualidade lírica invejável a um tempo, e a cada novo disco é perceptível a evolução do artista. Um MC que mantém seu estilo (a gente falou um pouco sobre isso nesse post aqui), no decorrer dos anos sem cair na mesmice e ficar clichê.

O disco já me impactou logo de cara, pois já dá um prelúdio de como vai ser o EP, começa com a voz do escritor João Antônio fazendo um paralelo entre o da escrita com o seu bem estar, é basicamente o OGI dizendo para o ouvinte que para se manter com o Pé no Chão, ele precisa fazer aquilo que sabe fazer de melhor, que é escrever.

É preciso realmente acreditar em escrever
Eu acredito que vale a pena escrever
Como vale a pena viver
No meu caso específico
Como a arte de escrever não é apenas um ato intelectivo ou intelectual
Chame vocês como quiserem
É um ato de vida, é um ato visceral
Eu não sei como é que eu viveria sem escrever
Alias, só vale viver escrevendo
Se eu não estiver escrevendo, a minha vida vai muito mal

Pé no Chão é um disco que mostra um certo amadurecimento pessoal do artista, pois ele narra suas mudanças de hábitos necessárias por conta das novas fases que vêm acontecendo, tanto na vida pessoal quanto na carreira.

O artista sempre manda muito bem na narrativa, com jogos de palavras bem colocados entre situações cantadas que podem ser vistas ao serem ouvidas, e sempre usando muito bem as referências, seja do mundo musical, dá nona arte, filmes… Enfim, vovô OGI sabe fazer um bom Rap mantendo seu estilo.

O disco foi produzido pelo Nave, mesmo produtor do aclamado “Rá!”, e conta com as participações de Bruno Dupre, Kiko Dinucci, Laudz, Marcela Maita, Emicida, Coruja BC1 e Diomedes Chinaski.

O EP “Pé no Chão”, na minha humilde opinião já tem lugar cativo na lista de grandes discos do tal “ano lírico”, pela qualidade do artista, dá produção, das participações e porque é um disco de alguém que não precisa ficar gritando pra ser notado na cena (tem quem precise disso), ele é visto porque é bom.

Ouça abaixo o EP “Pé No Chão”: