Era só pra ser uma resenha sobre o show do Kendrick…

Antes de começar a falar sobre o show e do que foi o Kendrick Lamar, eu preciso contextualizar umas coisas. Alguns fatos serão importantes para a construção desse texto. Preciso que você guarde algumas palavras chave: rap gangsta, negros com ódio, 80, ‘racismo reverso’ e lugar de fala.

Há umas duas semanas, antes do Lollapalooza, eu tenho ouvido músicas fora do nicho de rap. Quem me conhece sabe que eu escuto muito rap, r&b e também ali na soul music. Resolvi dar uma ‘limpada’ nos ouvidos e ouvir umas brasilidades e tudo mais, isso no intuito de conhecer novos sons.

Na semana do evento eu recebi a confirmação da minha credencial como imprensa e obviamente interrompi meu jejum para ouvi meu Kendrick Lamar e o álbum Gigantes do BK com mais atenção. Foquei em ir apenas domingo. Quis guardar minha energia para esse dia. Depois de duas semanas ouvindo sons mais ‘good vibes’ eu me deparei com flows agressivos e letras fortes. Negros com raiva.

Eu sempre ouvi rap e isso não deveria me chocar, mas me chamou atenção. Eu lembrei de diversas conversas onde pessoas brancas se incomodaram com as piadas do tipo, ‘você não tem que achar nada, você é branco’ e afins… alguns chegaram a insinuar que estavam sofrendo aquele negócio lá bizarro, racismo reverso. Alguns chegam a dizer ‘Mas tem alguns negros que me olham feio quando eu vou em um ambiente só de negros. Alguns até me tratam mal por ser branco’. Nesse momento eu sempre respiro fundo e falo ‘E ta errado?’. Por anos fomos jogados nos porões da sociedade, subjugados, mortos, tivemos nossa cultura ridicularizada e ainda isso acontece. Ainda somos mortos com 111 tiros ou 80, por ‘engano’. E você não vê uma justificativa por essa raiva?

Angela Davis fala em seu livro ‘Mulheres, Raça e Classe’, sobre o mito da mulher negra raivosa. A barraqueira. Negros são colocados como briguentos, perigosos, barraqueiros e qualquer outro estereótipo nesse sentido. Voltando ao Lollapalooza, muita gente estava fazendo a piada de que no show do Kendrick só iria ter branco, isso devido ao preço dos ingressos e isso de fato aconteceu. Alguma surpresa? Não.

Enquanto esperávamos o show do Kendrick começar, uma menina branca – lembrava até aquele meme da barbie fascista -, queria passar pra frente para encontrar o namorado. Já estava muito cheio e mal conseguimos mexer os braços. Mas a menina queria passar e começou a brigar com as pessoas a sua volta, mas todo mundo ficou olhando com a cara de deboche e ainda insinuando que ela nem deveria estar ali, no estilo Tati Quebra Barraco de deboche rsrsrs. Eu pude observar pessoas que pagaram caro para estar ali. Que abriram mão de alguma coisa para poder estar ali, ver Kendrick Lamar no seu auge. Que histórico! Essa garota, claramente não tinha essa ‘vivência’. O que Kendrick representa para ela? Fiquei pensando. Julgando sim, pois sou julgada em vários lugares e ali eu estava prestes a ver um artista negro que veio de um dos bairros mais perigosos dos EUA cantar. Mais cedo eu fui prestigiar o BK e fiquei muito feliz de ver a evolução dele e seu progresso. Dentro da cena nacional isso é uma vitória. Ver negros cantando rap para um festival ‘alternativo’ é lindo.

“Eu quero ser maior que essas muralhas
Que eles construíram ao meu redor”, BK Titãs 

 

kendrick-lamar-2019-04-07-dsc02901-fabio-tito-g1 -
Foto: Fábio Tito/G1

Ver o BK no mesmo palco que depois iria cantar Kendrick Lamar, me fez lembrar que indicava o álbum dele para os meus amigos. Das resenhas e discussões e ver ele ali foi progresso. Ver toda a sua banca e a Drik e a Juyé também foi incrível! Quero mais rap no Lollapalooza organização. Por favor!

Após toda confusão com a menina branca, logo começou o culto. Sim, foi um culto. Vi meus irmãos e irmãs felizes por estar vendo O Cara em carne e osso. Ele estava ali e nem dava para acreditar direito. Muitos amigos falaram que ficaram um tempo hipnotizados. Que momento. O brilho nos olhos dos negros é a coisa mais linda. Depois de toda euforia, aquele dia tinha acabado. Acordamos na segunda, quem foi para o lolla pelo menos, com a notícia de que uma família foi executada com 80 tiros no Rio de Janeiro. Executada pelo exército da tão pedida ‘intervenção militar” (Nigga, and we hate po-po). Uma família! 80 tiros! Cadê seu racismo reverso? Cadê o seu discurso que negros são raivoso? Onde está? Você não vê famílias brancas serem executadas.

Para fazer esse texto eu juntei toda minha raiva, meu êxtase do show, junto com o meu medo de morrer a qualquer momento. Eu to cansada de explicar para gente branca qual é o seu lugar de fala. Olhem o que aconteceu. Prestem atenção nas letras do Kendrick. Escutem BK. Observe sobre o que eles estão falando? De brancos sendo assassinados por serem brancos? De ego ferido, pois um negro te olhou feio em uma festa com muitos negros? Nós temos raiva de sobra. Todo dia é um dos nossos que morre. Todo dia é uma pessoa nos humilhando. Todo dia somos barrados em estabelecimentos por estar usando capuz ou estar com a mão no bolso, ou por ódio a nós. Todo dia somos mortos pelas costas. Somos mortos por estar com uma furadeira. Ganhamos menos e morremos mais. Dia 7 de abril de 2019 será sempre lembrado por nós, negros. Todos os negros que estavam no show do Kendrick irão lembrar desse momento. O rap nacional irá lembrar do BK ali no palco. Os negros que não puderam ir vão lembrar também e aquela família, de negros, irá sempre lembrar como um dia trágico.

Era para ser apenas uma resenha sobre o melhor show da minha vida, mas não consigo ignorar a dor dos meus irmãos. Toda vitória precisa ser comemorada, como diz Akira Presidente no remix de Correria, mas ainda não conseguimos sair das margens e das estatísticas. Mas como diz o grande sábio, Kung Fu Kenny ‘But if God got us, then we gon’ be alright’!

 

5 Melhores Álbuns de 2016 – Por Marcola

5 Melhores Álbuns de 2016 – Por Marcola

2016 foi um ano de realizações para o RAP. Tivemos uma série de lançamentos, descobertas, tretas saudáveis (ou não), quebras de paradigmas e, o melhor, muita música foda!

Foi um ano importante para a consolidação da cena que andava um tanto quanto parada, com fórmulas prontas e defasadas, com algumas poucas revelações.

E, ao meu ver, essa foi o principal ponto positivo para o movimento neste ano e, me baseando nisso, deixo abaixo a lista dos 5 melhores trampos do ano, em minha opinião.

 

BK – Castelos ¨& Ruínas

bk

O BK já andava mostrando um bom trabalho desde 2015, com o Nectar Gang, grupo que despontou na cena do RAP carioca.

Em Março de 2016 o BK a.k.a Flow Zidane lançou seu álbum de estreia, intitulado “Castelos & Ruínas”. Com uma temática obscura, totalmente auto-biografico e bastante analítico sobre a vida do Mc, é uma espécie de crise existencial de forma de poesia. Bk trouxe uma roupagem nova pra cena, utilizando uma enorme quantidade de metáforas e referências que vão desde mitologia grega até banalidades da vida no Rio de Janeiro e suas vivências, amores, planos, decepções e conquistas. Tudo isso me impressionou muito, pois se assemelha a muitos grupos e Mc’s do underground nacional dos anos 2000, dando ula aula de lírica, conhecimento que está além do RAP, fazendo jus ao apelido de “Flow Zidane”; Destaque para a música “Não me espere”, que tem uma grande carga das inúmeras referências citadas acima.

Vale muito a pena conferir, porém, dificilmente vocês não ouviram falar desse álbum que, pra mim, levou o título de melhor trabalho do ano e que vocês podem ouvir aqui.

 

D.D.H – Direto do Hospício

ddh

Eu tive a honra de conhecer o D.D.H por uma amiga de Salvador, que havia me apresentado o som do BACO, antes do boom da faixa “Sulicidio”, que foi a grande responsável por uma das melhores coisas do ano, que foi a virada dos holofotes para o Nordeste.

D.D.H é uma dupla formada por Mobb e Baco Exu do Blues, e que nesse ano lançou o EP “Direto do Hospício”, compilando algumas faixas lançadas ao longo do ano.

É um EP dificil de digerir, visto a brutalidade e banalidade com a qual lidam com temas como a morte, violência, racismo, entre outros problemas que o povo pobre tanto sofre. Usando uma linguagem nas poesias de escarnio, muitas referências filosóficas e uma pitada grande de sarcasmo, o EP apavora nas produções, nas letras cheios de jabs na cara da sociedade e dos problemas sociais. Mas, depois de entender a linguagem e a intenção dos caras com suas letras, se torna uma obra prima para os ouvidos. D.D.H literalmente vem do hospício de Salvador para expor para todos a vida que passa em vão sob nossos olhos.

O grande destaque do EP é a faixa “Santíssima Trindade da Sujeira”, com participação do Beirando Teto, que é uma viagem psicodélica entre a espiritualidade, o álcool, a cena defasada do RAP, a desgraça do mundo e. claro, a cidade de todos os santos. Tudo com uma carga enorme de agressividade. Mas, para entender exatamente toda essa temática e esse universo paralelo do som dos caras, vocês PRECISAM ouvi-lo.

 

Isaiah Rashad – The sun’s tirade

isaiah

Sou fã do Isaiah a pouco tempo, desde quando conheci o grande “Pieces of a Kid“.

O rapper associado da TDE, que tem apenas 25 anos, lançou esse ano o álbum “The sun’s tirade”, um álbum resumidamente obscuro. Com batidas experimentais, e sempre muito boas, como em todos os seus trabalhos, o trabalho veio carregado de rimas sobre seus problemas psicológicos, vivências e problemas enfrentados pelo jovem Mc durante a vida. Tema esse que, infelizmente, tem sido recorrente, mas pelo lado positivo, sido exposto por quem o enfrenta. ´Problemas com o álcool e drogas seguem a trilha desse trabalho pesado, e muito lindo. É uma grande auto-reflexão do Isaiah sobre seus monstros internos.

Destaque para a faixa “Wat’s wrong” com participação do Kendrick Lamar, que trás uma reflexão sobre como corremos em círculos na vida, os pensamentos que nos limitam, o que queremos alcançar e os fracassos, ansiedade, preocupações, entre outras formas de limitação que todos nos enfrentamos, retratados nessa linda faixa.

Vocês podem conferir o álbum completo aqui.

 

J Dilla – The Diary

dilla

Falar de J Dilla é falar de um membro do panteão de maiores produtores da história do RAP. James Yancey dispensa apresentações!

Porém, muitos o conhecem apenas como produto, ignorando o lado MC do lendário produtor de Detroit.

“The Diary” foi lançado em 2016, 10 anos após a morte do grande Dilla, e, diferente dos demais trabalhos póstumos, este foi especial pois além da produção das batidas, ele vem mostrando toda a habilidade como MC que possuia. Não só pela qualidade do trabalho e do Dilla, este álbum está na lista também pela felicidade que sinto em ver que o legado de Jay Dee será eterno, e a cada novo material lançado, ficamos felizes por ter a presença musical dele entre nós. Além do mais, este é o último material da série de trabalhos que Dilla havia deixado pronto antes de sua morte. O trabalho foi produzido entre 2001 e 2002, e conta com instrumentais de Dilla, Madlib,  Pete Rock e vocais de Snoop Dogg, entre outros produtores e Mcs que fecham esse time de peso.

Destaque para a faixa “Fuck the police” onde Dilla mostra todo seu “amor” pelos “homens da lei”, hehehe. Vocês podem conferir o álbum aqui.

 

Makalister – A Terça Parte da Noite

maka

Conheci o Makalister através da Déborah, também colaboradora do Rap Em Movimento.

Na época, ele havia acabado de lançar a “Laura Miller Mixtape”, em meados de Setembro desse ano. A mixtape, que alias eu diz um review aqui, dispensa comentários por toda sua qualidade. Depois de ouvi-la, fui atrás dos trabalhos anteriores do MC Catarinense, até chegar no EP “A Terça Parte da Noite”, lançado em Março de 2016.

Poesia é a palavra que resume o EP como um todo. Makalister usa de uma forma absurda e quase extraterrestre referências externas, que vão desde o cinema, sua marca registrada, aé livros, literatura, futebol, entre outras muitas formas de arte que o Mc absorve e fala com muita propriedade. Composta por 4 faixas, todas produzidas pelo próprio Maka, é uma viagem entre amores, rolês e vivências pela sua cidade, noites nos bares, filmes independentes e jogos do Figueirense. É daqueles trabalhos que você fica imerso na narrativa, sendo necessário, a cada verso, usar o buscador para entender e compreender as referências usadas, pois Makalister tem a capacidade de. em cada linha, usar uma quantidade enorme de metáforas ligadas a vários temas, o que torna o trabalho muito rico em questão de cultura e arte.

Destaque para a faixa “A vida e suas voltas redondas”, que é minha favorita por N motivos. Porém, acredito ser a faixa onde está mais explicito toda essa carga de referênxcia que eu reafirmo nessa analisa, como nos versos onde ele faz uma analogia genial entre futebol, sua infância e alguns filmes dos quais ele usou como tema.

Vocês podem conferir o EP aqui.