Sozinho no Sukyia

Texto inspirado na música Sozinho no Sukyia, do rapper Raffa Moreira com participação do Makalister.

Eram quatro e dez da tarde na quarta de cinzas de 2017, e eu estava nesse fast food quase japonês batendo minha larica antes de ir pro tal bloco de carnaval cheio de gente quase mente aberta.

Prestei atenção em quem entrava, reparei em um grupo de jovens que pareciam ter acabado de terminar a escola. Falavam alto quase gritando, faziam “dab” pra qualquer coisa aparentemente engraçada. Começaram a falar de internet e do quanto não se deve confiar em blogs pequenos, pensei no quanto isso é uma babaquice.

Difícil não ficar puto quando escuto algo nesse nível, até porquê, é foda saber que tem Kataguiri falando mais merda que eu e está visível e em evidência, lembrei dos meus amigos que se esforçam de verdade para fazer algo bom em um blog (por enquanto) pequeno.

Um conhecido que estava na mesa ao lado me viu e começou a falar de tudo na sua vida, até o que eu não queria saber. Comentei dos meus projetos e ele começou a me dizer o que eu devia fazer para dar certo, disse que se eu ficar falando de música que ninguém escuta e deixar claro minha opinião em textos, nunca ia sair do lugar. Vai se f#der conhecido.

Talvez seja por isso que a cada dia que passa eu fico menos ativo em redes sociais, esse complexo de hipster que deu certo na vida, e que todo jovem paulistano tem me irrita demais, e isso fica em evidência quando acesso a rede azulada. Só vejo mulecada querendo apagar fogo com querosene.

Achei melhor sair do Sukyia e ir pra casa, bloco de carnaval na quarta de cinzas só ia jogar a realidade no meu colo com mais intensidade.

 

Escute a música Sozinho no Sukyia.

 

Amores, Vícios e Obsessões

Texto inspirado na música Amores, Vícios e Obsessões, do rapper carioca BK.

De rolê na Mourato Coelho eu tava precisando de um isqueiro, já eram 23h55 e eu vi essa menina bem no naipe Dionne Bromfield, fumando L.A em frente um restaurante que parecia só vender FleurBurguer. Cheguei apressado pra pedir fogo, ela foi mais rápida e me perguntou onde era o Nola, eu sabia e levei ela.

Dessas que gosta de curtir um Rap sem ter que sair dos bairros mais abastados, Patrícia ficou fumando, bebendo e tentando acertar os sons que o DJ tocava, eu acompanhei seu ritmo pra ficar íntimo antes de dar 4h40, consegui, e quando ela declarou cansaço a gente foi pra casa dela, morava sozinha com o ex-namorado que preferia mulher de tromba, agora ela mora sozinha e o resto da noite eu não passei dentro de trem.

No dia seguinte o café da manhã foi sensimilla, misto quente e discussões que ela quer sempre ter razão, e eu que não gosto de estresse matinal-pós-coito deixava a última palavra ser dela, apesar disso tava bom demais aquele começo de domingo, mas como o meu clima de recente término estava assombrando, eu apaguei tudo isso do momento e só quis lembrar dela pelada.

A gente ficou nessa rotina por alguns finais de semana, mas eu me acomodo muito rápido e sem perceber aquilo só ficou convencional pra eu ter fights sem compromisso e toda semana, era isso ou falar de sentimento, eu tava suave, ela cansou e deu fim naquela relação onde os dois queriam tudo mas sem demonstrar nada.

Eu sempre pagando de soldado sem coração fingi que nem liguei e fui embora, ela tem meu Whats, ela que me mande mensagem se mudar de ideia, eu mudei na hora que pisei o pé na rua, mas não volto pra ninguém que pode me magoar um dia, hoje eu não volto pra ninguém. Quando cheguei em casa vasculhei o que eu tinha, a paisagem era lastimável.

O importante é que eu não paguei madeira pra ninguém, né?

 

Escute a música Amores, Vícios e Obsessões.

Noite Fria

​Texto inspirado na música Noite Fria do rapper paulistano OGI

Rodrigo é um paulistano de 19 anos que mora na periferia de São Paulo. Ele trabalha, estuda e gosta de sair de vez em quando pra Pixar os muros da cidade.

Já fazem dois anos desde que o prefeito que tá mais pra propagandista ao estilo filme Olímpia resolveu travar guerra aos pixadores e grafiteiros. Curiosamente, Rodrigo começou a pixar depois de ver o gestor da metrópole apagando artes de rua com tinta cinza, seus amigos também.

Certo dia Rodrigo e seus amigos resolveram aproveitar o dia de pagamento pra comprar latas de spray e sair para fazer seus “atos de rebeldia” contra um boy mimado que acha que a cidade é só sua. Eles nem ligam se a imprensa é igual ao Robert Downey Jr. em Assassinos Por Natureza, que gosta de inflamar o ódio de quem não pensa e anda fardado por aí.

Eles saíram do trabalho e compraram suas latas de tinta cor verde cintilante, pra chamar atenção mesmo, gostam de escrever “cinza é o tema pra chacina”, frase do Síntese enquanto escutam Sabotage, pra aflorar mais a adrenalina.

As ruas estavam bem vazias pela Zona Norte, até acharam estranho, mas nem ligaram, procuraram muros brancos e cinzas pra fazer o que tinha que ser feito. Gelaram quando viram um giroflex passando direto por uma esquina mas continuaram, não deviam, os agentes da Gestapo deram a volta para fazer uma emboscada.

Rodrigo nunca correu tanto, achou uma casa fácil de subir na laje e resolveu escalar, seus amigos te seguiram, mas ele caiu na garagem da casa quando a telha quebrou, um pastor alemão começou a morder sua calça, o dono olhou pela janela, viu a viatura e saiu gritando.

Os rapazes foram retirados da casa na calmaria, pensaram que estava tudo bem, até porque eles não fizeram mal a ninguém, pura ingenuidade, os policiais que nem identificação tinham começaram a bater nos meninos logo que eles pisaram na calçada, um deles disse que não era ladrão e não merecia aquilo, foi o estopim pra apanhar até desmaiar do marginal fardado.

Rodrigo viu tudo aquilo se sentindo impotente, viu um policial sacando uma arma e logo soube o que ia acontecer, sentiu vontade de chorar, levou um tiro na nuca. Mas morreu esperando que suas pixações durem mais do que o mandato do prefeito que parece o candidato sorridente de Transmetropolitan, até porque essa guerra, quem perde é aquele qie força o cinza só pra reaça aplaudir.

https://youtu.be/0hJc_tOzs50

Do Jeito

Texto inspirado na música Do Jeito, do rapper paulistano Rael.

Janeiro de 2, 0 e 17 e a sensação que se vê por aí é de alívio pelo ano chamado 2016 ter finalmente acabado, como se nesse ano que está começando tudo automaticamente já estivesse zerado e todos podem se permitir começar de novo, mas não pode. Até porque as falhas que a gente tá acumulando de uns anos pra cá não podem ir pra de baixo do tapete.

Boa parte de nós ainda não se permite pensar duas vezes antes de julgar quem perde a aliança na despedida de solteira, como se todos no lugar fizessem diferente no “mim acher”, e os mesmos pouco falam do herói olímpico que também deu mancada, porque ele é isento? O julgamento ainda está muito seletivo.

E no ano passado as manifestações das panelas que usou e abusou do grito contra a corrupção deixou muitas brechas no caráter dos movimentos que não queriam pagar o pato, pois a dancinha serviu pra derrubar a mulher de vermelho mas também serviu Häagen-Dazs e Nutella no avião do senhor casado com a mulher símbolo do conservadorismo, que está com a cara mais fechada do que nunca, veja as promessas de campanha do showman eleito na gringa.

Acompanhe também o trabalho do prefeito da terra da garoa, que não é político, mas não parou de fazer campanha até hoje, parando o trânsito pra pegar papel de bala na 9 de Julho, pintando parede de cinza como se a lata dos “marginais” não fosse revidar em cima da propaganda que é muleta para um senhor que mandou jogar bomba em jovens que só queriam estudar.

E o ódio que não vem de hoje só deixou mais pra frente o crime organizado, que domina cada dia mais as terras tupiniquins e deixando sem cabeça os encarcerados, e na rede social azul muita gente aplaude a matança, e o playboy amante de sorvete já citado nesse texto apenas lava as mãos, como pode ser chamado de acidente algo que é fruto de insistência nos erros, e o pior, como pode ninguém bater panela quando a solução é levantar mais grades?

“Do jeito que as coisas andam”, esse ano não vai ser de renovação, vai ser mais do mesmo com tendência de piorar, e a gente vai deixar pra 2018 (ano de copa e eleição) a solução.

Escute a música “Do Jeito” do Rael:

Mais uma edição do evento que você respeita

No último domingo, 16, aconteceu a terceira edição da festa Punga, organizada pelo coletivo A-Team com shows de Febem, Mob79, Rincon SapiênciaA.L.M.A e os DJs Minizu, Beans, Kalfani e Murillo.

A festa aconteceu novamente na Casa da Luz e mostrou que vem tendo boa aceitação das pessoas, com casa cheia e pretensão de crescimento para as próximas edições, segundo Augusto Oliveira, o Punga tem a ambição de unir o público, não só do Rap, mas também de outros ritmos musicais, buscando unificar cada vez mais os ritmos periféricos em São Paulo e mais pra frente em outras partes do Brasil.

img_2271
Foto de Marco Aurélio

Essa intenção de união fica notória na Punga, pois o set – tanto de shows quanto dos DJs – não fica preso apenas a um estilo de música, este domingo inclusive, tocou uma quantidade considerável de funk e a galera curtiu demais, afinal o “funk é filho do gueto, assuma”.

A festa tem uma boa proporção de crescimento e os organizadores prometem coisas maiores vindo por aí, fiquem ligados. Confira aqui a cobertura fotográfica feita pelo Marco Aurélio.

 

 

Pele que Abandono

Texto inspirado na música Pele que Abandono, do rapper catarinense Makalister.

Mosquei por mais de quinze minutos e quando voltei pro ambiente me peguei contornando os desenhos da Frida na sua pele, fascinado como se tivesse lendo o desfecho de Y: The Last Man.

No meio do fascínio decidi que era o momento de ter cautela pra poder mexer os dedos nas poucas áreas tangíveis ao seu gosto, já imagino o seu olhar depois de passar um bom tempo nesse ritual necessário, “e a partir de especiarias e raízes alivio sua libido”, e mesmo sem querer você força a unha no meu braço pelo arrepio que te fez olhar pra cima com o olho fechado, imaginando cenas do filme Pecado Original.

Depois de um bom tempo a pausa vem servida de uma taça de Malbec e tragos fortes de kush colhido na Serra Nevada de Santa Marta. No meio da fumaça eu observo as belas curvas do seu corpo, “são exercícios de elogios ao teu nu”, que é mais bonito que dribles do Djalminha e tanto quanto o início da noite visto do alto do Pico do Jaraguá.

No papo pós coito você surpreende com histórias pessoais que mostram o quão forte é, até mais que a professora confidente no filme do Nakashima, eu só te escuto e faço na cabeça o roteiro a partir do momento até o fim da noite: será que é a primeira e última? Apago rapidamente essa premonição inútil e repito o ato feito mais cedo.

Dessa vez você me faz ficar lembrando da rotina boa dos meus dias, como descobrir um filme no estilo Nolan, ou tirar a tarde de domingo pra ficar ouvindo Slum Village, ou comprar HQ  do Alan Moore pela metade do preço no centro, todos os pequenos prazeres juntos não dão uma sensação na cama contigo. Depois dessa a gente dorme.

Dia seguinte eu acordo e te vejo na sala fumando mais kush e assistindo o filme que eu citei no começo desse texto. Fico feliz demais em saber que você também gostou da noite que antecedeu essa manhã, como pode dar play no mesmo filme que pensei? Já deixo a vista o disco Caro Vapor – Vida e Veneno de Don L, pois eu imagino que você goste, e dance quando toca.

Escute a música Pele que Abandono do Makalister:

5 Melhores Álbuns de 2016 – Por Guilherme Almeida

O ano de 2016 foi muito bom pra cena Hip-Hop, muitos lançamentos de qualidade invejável, artistas mostrando cada vez mais que se importam em entregar um trabalho bem estruturado para o público e artistas lado B tendo cada vez mais visibilidade.

Houveram coisas ruins também, foi ruim de aturar (ra ra ra) pessoas que vivem a cultura no dia a dia não conseguirem, ou sequer fazerem esforço, pra entender a diferença entre crítica e ataque, sem perceber que isso inflamava um público que acompanha Rap pelo Mc e não pela cultura. Mas enfim, que o ano que 2017 seja melhor em qualquer aspecto, e que pra cada MC que se cresce demais surjam cinco ao estilo Neto do Síntese.

Aqui vão (na minha humilde opinião) os cinco melhores discos de 2016. O que mais gosto, não só no Rap mas em qualquer estilo musical, é uma lírica rica, então segui nessa linha pra escolher os melhores.

Sabotage – Sabotage

MVB_0216 001

Acredito que no andamento das coisas dentro do Hip-Hop em 2016, esse disco foi extremamente necessário, pois trouxe a tona mais uma vez que Rap bom de verdade é feito com poesia rica, respeito e visão. Impossível não ouvir Sabotage e não dizer que ele foi um dos artistas mais atemporais do Brasil.

Pra não me prolongar demais, deixo aqui o texto que escrevi sobre o melhor disco de 2016.

Você pode ouvir o disco do Sabota clicando aqui.

Síntese – Trilha para o Desencanto da Ilusão, Vol. 1: Amém

sintese

Síntese deixou de ser revelação a muito tempo, fico triste de ver que muita gente não dá atenção pra sua obra. Nesse álbum ele seguiu na mesma linha de colocar uma poesia profunda com voz forte, e criando músicas que você realmente para pra ouvir, tentando entender cada linha, verso e metáfora.

Ele deixa bem claro na sua obra que seu repertório é riquíssimo, e que nenhum assunto do cotidiano passa despercebido por ele, a diferença do Neto para vários outros Mc´s, é que ele te faz pensar (e muito), nunca diz o que quer de forma clara, mas ainda sim o papo é sempre reto.

Clique aqui para ouvir o disco do Síntese.

Kendrick Lamar – Untitled Unmastered

kendrick

Pra quem curte muito o som do Kendrick Lamar, foi muito foda poder ouvir um disco na mesma pegada de “To Pimp a Butterfly”, como ele mesmo disse, esse EP foi uma coletânea de sons que por algum motivo não entraram no álbum de 2015.

Seguindo na mesma linha de misturar ritmos como Jazz e Funk (até samba ele gravou), esse foi mais um disco genial do K-Dot, ouvindo ele você até entende o porque de se fazer tanta questão de lançar músicas que ficaram de fora do disco anterior.

Para ouvir o Untitled Unmastered, é só clicar aqui.

Anderson .Paak – Malibu

paak

A capa de Malibu já desperta curiosidade se você parar pra ficar olhando mais de dez segundos, já te dá um prelúdio do que é o disco, uma mistura feita com maestria entre diversos ritmos e variação no estilo de escrita.

O próprio artista disse ter como inspiração para o disco diversos artistas, desde Kendrick Lamar até Eric Roberson. Já dá pra ver que o disco não fica na mesmice, e as participações elevam ainda mais a obra, tem Rapsody, The Game e Talib Kweli, sobram motivos para ouvir Malibu.

Para ouvir essa obra de Anderson .Paak, é só clicar aqui.

Rapsody – Crown

rapsody

Conheci a Rapsody pela participação no disco do Kendrick Lamar, já gostei dela desde então, quando ouvi Crown me arrependi de não ter corrido atrás do seu trabalho meses antes, porque essa mulher sabe fazer música de qualidade.

A Rapsody consegue deixar o som com roupagem atual mas ainda sim faz você sentir aquela pegada Golden Era nas músicas, a voz dela com as produções do 9th Wonder é o casamento perfeito, com certeza é uma artista para se acompanhar em 2017.

Para ouvir Crown da Rapsody, é só clicar aqui.

 

BÔNUS

Marechal – Primeiro de Abril

Sei que o post era pra falar dos melhores álbuns, mas vou colocar uma música lançada em 2016, na minha opinião não foi a melhor desse ano, mas acredito que a mensagem é importante pra quem gosta de Rap.

E que só existe um tipo de MC
O ´foda-se o ego e vamos nos unir`
Dinheiro não tem nada a ver com vencer
Cuidado com isso aí que se não cês faz o plano do FMI