Criolo lança novo single “Boca de Lobo”

A uma semana da eleição, produção traz retrospectiva e propõe reflexão política

Criolo Boca de lobo

“Boca de Lobo”, mais novo lançamento do cantor e compositor Criolo, é uma retrospectiva intensa dos últimos anos na política e sociedade brasileira. A música – assim como seu videoclipe dirigido por Denis Cisma, com direção criativa de Pedro Inoue – denuncia as surreais e catastróficas consequências do abuso de poder em nosso país e toda população.

Com texto ácido e imagens poderosas, Criolo reaparece através do rap em sua mais forte corrente de energia e entrega uma mensagem de reflexão propositiva, não reativa. A ideia é não esquecer o passado, pensando no futuro de maneira responsável e lúcida. “Não esqueçamos das coisas ruins, o que os donos do poder fizeram com a gente. Não vamos esquecer, mas temos que enxergar sem se apegar à raiva ou ao ódio”, diz Criolo sobre o single.

“Estamos passando por momentos fortes, que vão ficar marcados na história. Mas que o desfecho seja para o lado positivo, para o lado de esperança, de amor e de alegria, para a reconciliação e encontro com aquilo que nos traz equilíbrio e serenidade”, completa.

Em “Boca de Lobo”, Criolo canta sobre a produção de Nave em parceria com Daniel Ganjaman. “Com ele (Ganjaman) é uma irmandade de vida, não só musical. Está em tudo aquilo que acreditamos.” A música – que começa com um sample/citação do poeta baiano Waly Salomão – dá a carta de intenções de cara, refletindo sobre o que vivemos atualmente.

A faixa se posiciona politicamente através das ideias de Criolo, expandindo a questão binária da escolha entre o candidato A ou B. Mesmo nesse momento de ansiedade e divisão, é necessário lembrar que as consequências diretas dos escândalos de corrupção (como as malas de dinheiro, o desvio de verba e o sucateamento do sistema público) caem sobre a vida dos mais necessitados.

Feito de forma independente pela Oloko Records em parceira com a produtora Saigon Filmes, o clipe de “Boca de Lobo” é fruto de um trabalho voluntário e colaborativo.

As filmagens foram realizadas no centro de São Paulo e contaram com o elenco de apoio e figurantes de alguns movimentos sociais da capital paulista, como é o caso da Ocupação 9 de Julho, e moradores do Grajaú. Com pós-produção da Clan VFX e sound design da 1927 Audio, a peça coloca em ação os animais da ilustração da arte de capa do single, feita por Luciano Neves.

“Boca de Lobo” é um registro artístico e uma caixa de recordações de tudo que vivenciamos nos últimos anos. A indignação existe e dela a raiva nasce. Se você a sente, você está vivo. Porém, esse sentimento não pode se tornar ódio. Não podemos perpetuar esse discurso, pois o futuro nunca esteve tanto em nossas mãos.


 

As religiōes de matriz africana no Hip-Hop

Laroiye, Esù Onà!

O Candomblé surgiu em meados do século XVI, a partir da junção de elementos de várias religiões existentes no continente Africano.

Os povos do Império Yorubá (África Ocidental), Angola-Bantu (África Sunsariana ) e Jejé (África Ocidental) cultuavam deuses conhecidos como Orixás, Nkisis e Voduns. Da junção destas crenças, nasceu o candomblé brasileiro, como conhecemos. Essa junção ocorreu no Brasil, devido a necessidade dos negros de manterem suas tradições religiosas na terra onde foram escravizados.

Assim como no Brasil, muitos países dá América Latina foram destinos de escravos Africanos. Devido a isso, encontramos em Cuba a Santeria e no Haiti o Voodu Haitiano, outras formas de cultos africanos, além de outros países como EUA, etc.

Um dos símbolos mais conhecidos dessas religiões são os atabaques, ou tambores, dependendo dá localidade de origem. Os atabaques são instrumentos de uso ritualístico/religioso, utilizados para invocar as divindades.

Com o passar dos anos, os negros estabelecidos no Brasil passaram a usar esses instrumentos para criar estilos musicais distintos nas terras onde eram tocados. Podemos observar seu uso no carnaval, nos afoxés, na MPB, samba, entre vários outros estilos. E no Hip-Hop não poderia ser diferente. Com o advento das MPCs, mixers e samplers, muitos produtores se voltaram para a musicalidade africana para desenvolver suas batidas. E, além deles, MCs adeptos ou apenas admiradores das religiões vem retratando em suas rimas suas crenças nas religiões africanas, como forma de resgate de suas origens na Terra Mãe e reafirmando, com orgulho, seu sangue negro.

 

Emicida

A primeira vez que ouvi “Pra não ter tempo ruim”, da sua primeira mixtape “Pra quem já morreu um cachorro por comida, até que eu cheguei longe”, fiquei em choque com a lírica do Emicida, que na época voava. Num dos trechos do som, o MC versa “ceis vão lembrar que o punho cerrado é mais que o logo da Slum/Negro nagô, trago nos olhos Xangô e Ogum”. No mesmo disco, na faixa “Só isso” temos oa versos “A cota é andar com fé, que não costuma falhar/ Determinação e coragem, a força Ogun é que dá” e  “Com os Eparrey Iansã, que a Claras entoava na antiga”. Ogun, na mitologia Iorubá, é o Orixá da guerra, dos metais, das lutas, irmão de Oxóssi é um dos mais cultuados Orixás na África e Brasil.

Xangô é o grande Obà de Oyo, uma das cidades do Império Iorubá. Proc da justiça, dono do fogo, um guerreiro feroz, companheiro de Iansã, Orixá das tempestades, sensual, uma das guerreiras mais destemidas da mitologia, que as transforma num búfalo quando esta em apuros, sendo também, a mãe dos 9 céus, que guia os Eguns.

Além dessas rimas existe uma forte presença de termos religiosos e diversos do idioma africano em seu trabalho. Também é corriqueiro ver fotos do MC sempre com sua guia de Xangô no pescoço, ou com as vestimentas de santo.

 

Criolo

Criolo é um cara que valoriza a cultura nacional em todas as suas nuances. E sempre incluindo em seu repertório a musicalidade negra.

A faixa mais conhecida do MC, que chegou ao maimstream com uma mensagem de respeito e louvação aos Orixás africanos foi “Mario”. No refrão “Ogum adjo, ê mariô (Okunlakaiê)”, Criolo faz referência a uma linda cantiga da Nação Ketu ao Orixá Ogun, que diz “Ogun a jo e Mariwo (Ogun se manifeste com o seu mariwo), Akóró a jo e Mariwo (Akóró, se manifeste com o seu mariwo), Ogunpà lè pà lona (Ogun mata, tem poder de matar no caminho)
Oguna jo e Mariwo, E ma tù Ye ye (Vós sempre anima a nossa vida) (animar = reviver).

O Mario é a folha extraída do denzezeiro, item, indispensável no culto a esse Orixá, que usa a folha como forma de proteção a seus filhos e a  si mesmo.

Outra faixa conhecida é a que ilustra essa matéria, “Fio de Prumo” que é uma grande homenagem ao Orixá Exú, ja citado nessa matéria.

 

Orishas

Orishas é um exemplo engraçado. Escuto os caras desde meados de 2009, mas nessa época eu não era adepto das religiões de matriz africana. Jamais tinha reparado no nome é nas letras. Anos depois tudo fez sentido, hehehe.

O nome deriva da expressão “Orisà”, que significa “Força a cabeça”, e nada mais é do que o nome das divindades/semi-deuses cultuados no Reino Iorubá, Nigéria. O grupo cubano tem uma musicalidade incrível, com elementos da cultura latina entrelaçados com os elementos do Hip-Hip nascido nos EUA. Também usam como uma forma de professar a sua fé, como nas músicas “Shango” e “Canto para Elegua”. Shango é Xangô, como explicado nas linhas do Emicida. Já Elegua é mais complexo.

Mais conhecido por Esù (ou Exu, para os mais medrosos), este Orixá tem muitos nomes pelo qual é conhecido e reverenciado. Nos países da América central foi adotado o nome Elegua, que significa “O príncipe mensageiro”, é um dos – senão o mais importante Orixá do panteão, mensageiro e responsável por transportar o Asè.

 

Oshun

O duo de Nova Iorque vem pra mostrar que o Asè também corre na terra do racista laranja.
As minas, mais do que nas rimas, e nas batidas de jazz, adotaram a cultura das religiões africanas em suas vestimentas, adereços, clipes, fazendo do trabalho uma vivência na África.

O nome deriva de “Osùn”, sendo escrito dessa forma por causa da Santeria Cubana, que se fincou nos EUA devido também a imigração de cubanos para o país. A presença massiva da cor dourada, águas doces, maquiagens e forte apelo a beleza trazem toda a influência do Orixá na estética da dupla. Osùn é o Orixá das águas doces, da fecundidade, gestação, do amor, das relações, a mais bela Iyabà de Olodumarè.

Sua cor é o dourado, gosta de jóias, de de embelezar e encantar os homens da Terra. Assistam aos clipes das meninas que vocês vão se ligar na forte influência.

 

Ibeji

Ibeji é uma dupla de gêmeas cubanas, que fazem um som bem parecido com Oshun. O nome vem do Orixá de nome Ibeji, que, assim como as garotas, são gêmeos, segundo a Mitologia Ioruba.

Ibeji é o Orixá-Criança, em realidade, duas divindades gémeas infantis, ligadas a todos os orixás e seres humanos.

Por serem gémeos, são associados ao princípio da dualidade; por serem crianças, são ligados a tudo que se inicia e nasce: a nascente de um rio, o nascimento dos seres humanos, o germinar das plantas.

 

3030

O 3030 é um grupo de rap que utiliza elementos de música brasileira, visto como um dos nomes mais promissores da nova geração. A mistura Rap/Mpb se deu depois que os Mcs Lk e Rod se juntaram ao cantor Bruno Chelles, na intenção de inovar no cenário musical nacional, o que acabou culmimando na fundação do 3030, mais tarde fortalecido pela entrada do DJ Rafik, veterano produtor e DJ carioca.

Em uma de suas passagens, gravaram o som Ogum, saudando o Grande Orixã das lutas.

 

Opanijé

Criado em 2005, o grupo Opanijé (Organização Popular Africana Negros Invertendo o Jogo Excludente) é Formado pelo trio Lázaro Erê, Rone Dum-Dum e Dj Chiba D , diretamente de Salvador, Bahia.
Ao contrario do que o nome do grupo diz, Opanijé é uma palavra Iorubá que designa um toque sagrado, entoado para o Orixá Obaluaye, Omolu e Sakpata geralmente tocado para a divisão de um conjunto de comida ritual chamada Olubajé, quando todos em silencio recebem sua porção, e os crentes aproveitam este momento para pedir saúde e longevidade. O orixa dança numa representação simbólica, mostrando sua ligação com os mortos Iku e o seu domínio sobre a terra.

Atotô!

Essas são só alguns exemplos da ligação entre as religiões de Matriz Africana e o Hip-Hop. Mais do que mostrar nossas devoção ou louvar nossas crenças, é lindo podem usar de nossas raízes religiosas oriundas da Terra-Mãe e cultuadas a milhares de anos, para construir uma musicalidade original e homenagear nossos antepassados, tão marginalizados e expostos aos diversos tipos de maus tratos que o branco nos causa a anos. Obrigado a todos os que mantém nossa cultura viva, obrigado,

Asè pra quem é de Asè!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Criolo lança a regravação do álbum Ainda Há Tempo

Criolo_Ainda_Ha_Tempo

Em 2006, num cenário instável do rap paulistano, surgia o “Ainda Há Tempo”, primeiro disco do ainda Criolo Doido. Para comemorar os dez anos do disco, desde março, o rapper está em turnê que revisita o registro, que agora também ganhou uma nova edição.

Ganjaman reuniu grandes produtores brasileiros contemporâneos para reinterpretar o clássico underground. Dividem a lista de créditos nomes consagrados, de grife internacional, como Tropkillaz, artistas em evidência como Papatinho, Nave e Sala 70, e novas apostas como Deryck Cabrera. Sob a batuta de Ganja e do coprodutor Marcelo Cabral, o time cava fundo para transformar pedras brutas em joias perfeitamente lapidadas.

A regravação de “Ainda Há Tempo” (Oloko Records) é um marco por vários motivos A variedade de estilos dos produtores garante interpretações notavelmente distintas, o que poderia transformar o disco em pastiche. O toque de Ganjaman e Cabral, no entanto, opera pequenos ajustes e tece um fio condutor que harmoniza o conjunto. O resultado é enriquecedor.

No final, esse pequeno sumário de 10 anos de rap, Brasil e mundo pode deixar um gosto amargo, uma sensação de que nada mudou substancialmente. De fato, algumas coisas pioraram. Por outro lado, é admirável que um disco composto sem pretensões de grandeza, gestado em rodas de moleques de periferia, numa época de descrédito de um gênero todo, tenha sido o embrião de uma geração que conquistou um espaço sólido e grandioso na música brasileira. “Ainda Há Tempo” era cheio de preocupação e ceticismo, mas também transbordava a esperança de um compositor e de uma comunidade que não queriam sucumbir. “Não quero ver você triste assim, não. Que a minha música possa te levar amor”, Criolo cantava em 2006. Em 2016, ainda há tempo para ouvi-lo.

O lançamento digital do “Ainda Há Tempo” aconteceu no dia 6 de maio e você pode ouvi-lo direto do site: http://www.criolo.net/aindahatempo/

 

Ouça o novo álbum do Criolo

Les Crioles disponibilizou seu novo álbum ‘Convoque seu buda’ para ouvir no youtube. O rapper já havia divulgado dois singles durante o ano – Duas de Cinco e Convoque seu buda -.
FICHA TÉCNICA

Uma produção OLOKO RECORDS

Gravado por Daniel Ganjaman no estúdio El Rocha em São Paulo, Brasil. Mixado por Mario Caldato no MCJ Studio em Los Angeles, USA (exceto “Duas de Cinco”, mixado por Daniel Ganjaman no estúdio El Rocha em São Paulo, Brasil).

Produção Musical: Daniel Ganjaman e Marcelo Cabral
Direção Artística: Daniel Ganjaman
Assistente de Gravação: Fernando Sanches
Masterizado por Robert Carranza em Los Angeles, U.S.A
Arranjos de Base: Daniel Ganjaman e Marcelo Cabral, exceto “Fermento pra Massa”: Kiko Dinucci, Rodrigo Campos, Daniel Ganjaman e Marcelo Cabral
Arranjos de Cordas: Marcelo Cabral
Arranjos de Metais: “Casa De Papelão”, por Thiago França, e “Pé de Breque”, por Daniel Ganjaman
Direção de Arte: Denis Cisma

criolo-convoque-seu-buda-cd-baixar

O álbum está do estilo do Criolo Doido. Confira aqui

Criolo lança single de seu novo álbum

Criolo não brinca em serviço! Convoque seu buda é o primeiro single de seu novo álbum que irá levar seu nome.

Segundo a matéria publicada hoje (29.10) na revista Rolling Stone a música conta em aproximadamente quatro minutos sobre as reintegrações de posse violentas que aconteceram em locais como São Paulo (quando a PM e as famílias de sem-teto entraram em confronto no centro da cidade) e no Recife (no Cais José Estelita), enquanto o beat com pegada oriental dá o tom de protesto ao refrão.

Um som sombrio e pesado Criolo consegue cada vez mais ser genial em suas músicas. “Convoque seu Buda. O clima está tenso ,já mandaram avisar que vão torrar o centro”.

Criolo-Convoque-Seu-Buda-Lyric-Video

Com produção de Daniel Ganjaman e Marcelo Cabral, Convoque Seu Buda, terceiro registro de estúdio de Criolo, chega às ruas no mês de novembro.

O link para fazer o download está disponível no site : http://www.criolo.net/convoqueseubuda/

E confira aqui a música no youtube

 

Quer rap? Então Tomaa!!

Preparem os ouvidos que aí vem pedrada!!!

Criolo lança um novo clipe/curta-metragem, as músicas “Duas de Cinco + Cóccix-ência” são a trilha desse curta. Não da pra dizer se são duas músicas que tem um curta ou um curta que tem músicas. O vídeo é uma história meio futurista mas com os mesmos problemas que a sociedade enfrenta.

O clipe é dirigido por Cisma e produzido pela Paranoid. A música foi composta pelo próprio rapper que sinceramente a letra é Sensacional assim como todas as outras dele.

“…Pra quem curte o preconceito e só vive de aparência
Não vá raspar. Não mexe, ini-sequência…”

img-1018169-criolo-duas-de-cinco-620x330

Confira ai!