A história por trás da capa do álbum “Madvillainy”(2004), pelo Diretor de Arte Jeff Jank.

[Matéria originalmente publicada no site egotrip, que vocês podem conferir aqui

O antigo diretor de arte da Stones Throw Records, Jank – por meio de sua maravilhosa arte de capas e discos e singles, como as de Madlib (e sua miríade de encarnações, incluindo Quasimoto e Yesterday’s New Quintet), J Dilla , Dudley Perkins – exibiu tanto talento para criatividade em homenagem ao design vintage. Estimulado por uma fotografia impressionante feita pelo fotógrafo Eric Coleman, o design da capa do álbum de Jeff para Madlib MF Doom – collab inaugural do clássico de Madvillain Madvillany, é um exemplo fundamental de algo que preenche realmente muito bem ambas as categorias. Nós recentemente nos encontramos com o homem conhecido alternadamente como Funkaho para discutir a realização do LP e sua capa- um processo que envolveu troca, bongs, um abrigo anti-bombas e oportunidades para talvez assustar as crianças

 

madvillian_cover

Qual foi a inspiração original para a capa do álbum Madvillainy e como evoluiu o conceito?

Jeff Jank: Naquela época, em 2003, Doom realmente não tinha uma imagem pública. Cabeças do hip-hop sabiam que ele usava uma máscara, que ele fez parte do KMD – Kausing Much Damage, um grupo de RAP criado em 1988, mas ele realmente era um mistério. Então, eu realmente queria ter uma foto dele na capa, só para fazer uma imagem definitiva do Doom. Especificamente eu estava pensando em uma foto desse homem, que por acaso usava uma máscara por algum motivo, ao contrário de “uma foto de uma máscara”. Eu não sei se a distinção ocorreria a qualquer outra pessoa, mas para mim era um grande negócio. Quero dizer, quem diabos anda com uma máscara de metal, qual é a história dele?

Eric Coleman veio com câmera e filmes e só encontrei ele um dia. Eu não me lembro se tivemos uma foto planejada ou se ele apareceu no dia certo. Doom e Madlib eram elusivos com fotos, por isso esta foi uma oportunidade. Nós os gravamos em nossa casa, onde o álbum estava sendo gravado.

Eu estava pensando na capa de “King Crimson’s In the Court of the Crimson King quando eu estava trabalhando nesta foto. Eu usei para verificar esse cara vermelho gritando no álbum de King Crimson na coleção do vinil do meu pai quando eu era uma pequena criança e ele realmente me sacudiu – Eu estava realmente assustado olhando através de seu vinil. Eu esperava que essa foto desse cara com uma máscara de metal fizesse o mesmo com algum outro garoto de 5 anos em algum lugar.

Outra coisa – apenas um pouco de brincadeira – foi que a foto em preto e branco [de Doom] me lembrou de alguma forma a primeira capa do álbum Madonna, apenas ela em preto e branco – ela disse “MADONNA” “O” era laranja. Eu vi as duas fotos lado a lado e ri como se fosse alguma versão rap de Beauty & the Beast. Então eu coloquei um pequeno pedaço de laranja no canto, em parte porque precisava de algo distintivo, e em parte para combinar com a cor de Madonna.

madonna

Descreva como era o ambiente de trabalho na Stones Throw na época. Vocês estavam todos vivendo juntos na mesma casa, certo?

Jeff Jank: Sim, estávamos todos nesta casa em East, Los Angeles, e eu ainda vivo lá hoje sozinho. [Peanut Butter] Wolf tinha este tipo de rótulo de DJ do quarto hip-hop que ele tinha começado alguns anos antes, e decidiu se mudar para L.A. para trabalhar mais perto com Madlib. Egon e eu nos juntamos ao mesmo tempo. Foram os três, sem planos e sem dinheiro. Madlib mudou-se para lá, primeiro montou uma loja na sala de estar, e depois entrou no abrigo anti-bombas da era dos anos 50, com paredes de concreto de 18 polegadas. É como se fosse feito sob encomenda para ele – ele fez música o dia todo em uma programação consistente que realmente me impressionou – e o mais impressionante eram  suas três pausas por dia, que eram para fumar gigantescos montes de maconha;

Nós todos apenas mergulhamos nisso como um projeto vivendo nele 24/7. Depois de fazer isso por um ano ou dois, um dia Madlib disse que gostaria de trabalhar com Doom. Egon conhecia um cara que sabia quem conhecia Doom, e a próxima coisa que você sabia que Doom também estava fazendo: “Fazer bongs no telhado na Costa Oeste”, como ele diz na primeira faixa que ele escreveu para o álbum. Eu realmente não percebi o que era um momento idílico, até que as coisas ficaram mais complicadas alguns anos depois.

O que você lembra sobre o processo de Madlib e Doom trabalhando juntos, e como eles moldaram suas próprias idéias de como apresentar a música?

Jeff Jank: A parte mais importante de seu processo é simplesmente que Doom entendeu Madlib. Ele entendeu de onde ele estava vindo com a música, como isso se relacionava com os discos que eles ouviram dos anos 60-90, e a inclinação de Madlib para trabalhar sozinho em privacidade. Doom era tudo para ele.

Eu freqüentemente buscava Doom em um hotel cada dia. Chegamos a uma loja de bebidas às 10h. Escrevia na varanda dos fundos, Madlib fazendo a coisa lá embaixo no abrigo de bombas. Eu não sei dizer se isso influenciou a obra de arte. Na maioria das vezes eu estava apenas preocupado com o álbum ficar terminado. Eu também tive essa confusão com Doom onde fizemos um comércio: eu fiz uma pintura em troca dele colocando algumas palavras-chave desafiadoras nas letras. Essas palavras permanecerão secretas, mas estou feliz em dizer que ele colocou para fora um par de meus personagens de desenho animado Hookie & Baba na faixa lounge “Bistro”.

Em algum lugar ao longo do caminho, a primeira demo “Madvillainy” vazou na web, e realmente azedou o processo para eles. O processo de levá-los de volta ao trabalho levou a maior parte de 2003, e as últimas partes do álbum foram muito mais difícil do que tudo. No final quase todo mundo estava frustrado, e eu acabei sendo o último cara no estúdio fazendo uma pequena edição aqui e ali, o que eu nunca tinha feito antes no Stones Throw. Eu dirigi para casa pensando, esta é uma ótima música, um grande beatmaker, um grande MC, e eu tenho um grito para os meus personagens de desenhos animados, a vida é muito boa.

Apesar disso, fiquei realmente surpreso com o amor que o álbum teve. Até hoje eu vejo novas pessoas descobrindo e sendo inspirado por esse disco e estou realmente feliz por ter feito parte dele. (Isso até torna o processo multi-ano do mítico segundo álbum algo suportável.)

Embora eu soubesse que Doom fez parte do KMD, eu não sabia até um pouco mais tarde que ele tinha desenhado a capa de Black Bastards ou tinha algo a ver com artes visuais. Conversamos mais sobre isso mais tarde, mas no momento tudo que eu sabia era que ele estava sendo absolutamente contra o uso de seu “rosto” na capa. Quando ele veio para ve-la um dia, seu cara Big Ben Klingon simplesmente estava com ele. Eu tive sorte. Doom gemeu quando viu a foto, mas Ben imediatamente percebeu. Ele estava uivando: “Olhe para esse cara, qual é a história dele ?! Isso é perfeito!” Ben agradeceu pela capa.

Autor: Marcola

Fotografo shows sujos onde frequento, escrevo rimas que nunca vou lançar e faço pautas sobre coisas que vocês (ainda) não conhecem,. 26 anos, colaborador do @rapemmovimento e @carrancarecords

Uma consideração sobre “A história por trás da capa do álbum “Madvillainy”(2004), pelo Diretor de Arte Jeff Jank.”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s