20 anos de “Sobrevivendo no Inferno”

” 60 por cento dos jovens de periferia sem antecedentes criminais á sofreram violência policial. A cada quatro pessoas mortas pela policia, três são negras.
Nas universidades brasileiras apenas 2 por cento dos alunos são negros.  A cada quatro horas, um jovem negro morre violentamente em São Paulo
Aqui quem fala é Primo Preto, mais um sobrevivente”

 

No final de 1997, era lançado o que, pra mim, é o maior álbum da história do RAP Nacional – e que talvez nada o supere em questão de importância ou qualidade, numa época em que ninguém dava atenção ao som que vinha das favelas do Brasil.

 

“Sobrevivendo no Inferno” foi o quinto álbum de estúdio lançado pelos Racionais MC’s. Antes disso, o grupo já tinha uma reputação de 10 anos na cena underground, onde o RAP, em quase sua totalidade, existia. O disco foi o maior divisor de águas dentro da cena e o primeiro a romper as barreiras do “subterrâneo”, e a atingir um conhecimento dentro da cena mainstream da música, chegando até a MTV e outros canais, passando da marca de 1,5 milhões de cópias vendidas na época do lançamento. Tudo isso de forma totalmente independente.
Mas, antes de falar sobre o disco de forma técnica, ou fazer uma resenha sob a ótica musical, acho importante dizer o quanto esse disco é importante pra mim, de forma sentimental, ou com relação a minha vida e iniciação ao RAP:

“O ano era 98, 7 anos de idade, meu pai trabalhava em um shopping na Avenida Paulista. Ele tinha um amigo, que tinha um Chevette (eu amo Chevette demais, espero que a fotografia de RAP me de granas pra comprar um, hahahaha), e sempre tocava nesse carro uma fita k7, com uma batida forte e umas letras que, na época, me apavoravam. Sempre que eu ia dar um rolê com meu coroa depois do trabalho, eu estava nesse carro, ouvindo essa mesma fita. Até que, um dia, perguntei ao amigo dele do que se tratava, e ele me mostrou uma capa preta, com uma cruz no meio e letras que eu – ainda, não entendia.

 

Capa criada pelo artista Marcos Marques.

 

Chegando em casa, um dia, disse que queria demais essa fita. Enchi o saco dos meus pais, até que eles me deram uma grana – algo em torno de 5 reais, para comprar a fita. Só que havia um porém: Meu primo também amava essa fita, e a única banca do bairro que vendia, tinha apenas uma fita. Decidimos, eu e meu primo, apostarmos corrida até a banca, para decidir quem ficaria com ela. Eu venci, e comprei a fita.

 

Nunca soube por onde ela se perdeu nesses 20 anos depois do episódio. Mas tenho uma lembrança maravilhosa dessa época, do que vivia, do mundo como era, do prazer que existia em ouvir RAP num toca-fitas e coisas do tipo. Deixo aqui registrado meu agradecimento ao meu pai e ao amigo dele, por me introduzirem, sem saber, ao mundo do RAP.”

 

Passada minha história ~lindinha~, gostaria de fazer algumas observações sobre o disco e desenrolar a resenha falando um pouco mais do trabalho.

 

“Sobrevivendo no Inferno” é o álbum mais aclamado dos Racionais por diversos motivos. Além de ter sido o grande boom para o grupo, concretizando o posto deles como o grupo mais importante da história do RAP Nacional, ele trás uma produção impecável do KL Jay. Nomes como Isaac Hayes, The L.A Express, Edwin Starr, Curtis Mayfield, Tim Maia, Bar-Keys, entre vários outros figuram entre as amostras usadas pelo DJ e produtor para compor o disco.  As batidas, sempre muito agressivas, assemelhando ao Gangsta RAP americano, contrastam com os samples da velha escola do soul, funky, blues, o que eu acho foda pra caralho.

 

Difícil para mim, que sempre tive um apreço maior por batidas do que por letras, escolher qual delas eu mais gosto, percebo que todas foram feitas de forma muito estudada e nenhuma delas se parecem nesse disco, apesar da temática uniforme. Mas, andar de Opala ouvindo “Capítulo 4, Versículo 3” é quase um orgasmo auditivo. Outra música importante pra caralho é “Rapaz Comum”, um relato incrível da criminalidade, visto em primeira pessoa pelo Edy Rock, sendo essa, pra mim, a melhor letra do Cocão, de todos os tempos. O boombap tomou novas formas nesse disco, saindo do padrão de batidas de marcações “quadradas” (o que não é uma critica, mas uma forma que algumas batidas eram feitas no Brasil, nessa época, na questão do sequenciamento da bateria), para coisas mais elaboradas, com uma pegada mais quebrada, enfim, o padrão foi quebrado com primazia.

 

Ou seja, é um álbum para se ouvir do começo ao fim, sem ter a sensação de que as coisas foram feitas todas da mesma forma, Até porque, estamos falando de KL Jay, amigos.

 

Com relação as rimas, pode ser até algum clichê falar da qualidade e do storytelling que tem os integrantes do grupo, mas devemos frisar que, em 1997, a taxa de homicídio em São Paulo era a terceira maior da América Latina, e um jovem do bairro Capão Redondo tinha 12 vezes mais chances de morrer, segundo dados no site RAP Genius. A crueldade da polícia com a população das favelas era extrema. No mesmo ano do lançamento do álbum houve o caso da chacina na Favela Naval, em Diadema/SP, que ficou conhecido no Brasil todo. Foi um disco que retratou isso, onde a mídia jamais fez questão de entrar é contar a história daquelas pessoas. Foi um disco que escancarou problemas que os negros sofrem no Brasil desde que aqui pisaram pela primeira vez. Não apenas os negros, mas os jovens de toda a periferia, não apenas em São Paulo, até porque “Periferia é periferia, em qualquer lugar a gente morre”. Em 2007 a Revista Rolling Stones elegeu o disco como o 14º melhor álbum da musica brasileira.

 

Nessa lista, além desse disco, temos também “Nada como um dia após o outro dia”, também dos Racionais. Com isso, podemos ver como era o cenário da época, não só para o RAP, mas para toda a cultura preta e periférica.

 

Passando por letras que trazem os poucos momentos de alegria, curtição dos negros e favelados da época, retratada em “Qual mentira vou acreditar”, os moleques perdidos na cola em “Magico de Oz”, os amigos que se foram, a vivência nas quebradas e nostalgia em “Formula Mágica da Paz”, entre muitos e muitos clássicos presentes no disco.

“Sobrevivendo no Inferno” é um documento histórico de como viviam, e de como eram mortos os jovens das comunidades carentes – o que o RAP nunca deveria deixar de ser.

Para quem ainda não conhece o disco OUÇAM o quanto antes e peguem o Asè dos Deuses do RAP Nacional.

Anúncios

A história por trás da capa do álbum “Madvillainy”(2004), pelo Diretor de Arte Jeff Jank.

[Matéria originalmente publicada no site egotrip, que vocês podem conferir aqui

O antigo diretor de arte da Stones Throw Records, Jank – por meio de sua maravilhosa arte de capas e discos e singles, como as de Madlib (e sua miríade de encarnações, incluindo Quasimoto e Yesterday’s New Quintet), J Dilla , Dudley Perkins – exibiu tanto talento para criatividade em homenagem ao design vintage. Estimulado por uma fotografia impressionante feita pelo fotógrafo Eric Coleman, o design da capa do álbum de Jeff para Madlib MF Doom – collab inaugural do clássico de Madvillain Madvillany, é um exemplo fundamental de algo que preenche realmente muito bem ambas as categorias. Nós recentemente nos encontramos com o homem conhecido alternadamente como Funkaho para discutir a realização do LP e sua capa- um processo que envolveu troca, bongs, um abrigo anti-bombas e oportunidades para talvez assustar as crianças

 

madvillian_cover

Qual foi a inspiração original para a capa do álbum Madvillainy e como evoluiu o conceito?

Jeff Jank: Naquela época, em 2003, Doom realmente não tinha uma imagem pública. Cabeças do hip-hop sabiam que ele usava uma máscara, que ele fez parte do KMD – Kausing Much Damage, um grupo de RAP criado em 1988, mas ele realmente era um mistério. Então, eu realmente queria ter uma foto dele na capa, só para fazer uma imagem definitiva do Doom. Especificamente eu estava pensando em uma foto desse homem, que por acaso usava uma máscara por algum motivo, ao contrário de “uma foto de uma máscara”. Eu não sei se a distinção ocorreria a qualquer outra pessoa, mas para mim era um grande negócio. Quero dizer, quem diabos anda com uma máscara de metal, qual é a história dele?

Eric Coleman veio com câmera e filmes e só encontrei ele um dia. Eu não me lembro se tivemos uma foto planejada ou se ele apareceu no dia certo. Doom e Madlib eram elusivos com fotos, por isso esta foi uma oportunidade. Nós os gravamos em nossa casa, onde o álbum estava sendo gravado.

Eu estava pensando na capa de “King Crimson’s In the Court of the Crimson King quando eu estava trabalhando nesta foto. Eu usei para verificar esse cara vermelho gritando no álbum de King Crimson na coleção do vinil do meu pai quando eu era uma pequena criança e ele realmente me sacudiu – Eu estava realmente assustado olhando através de seu vinil. Eu esperava que essa foto desse cara com uma máscara de metal fizesse o mesmo com algum outro garoto de 5 anos em algum lugar.

Outra coisa – apenas um pouco de brincadeira – foi que a foto em preto e branco [de Doom] me lembrou de alguma forma a primeira capa do álbum Madonna, apenas ela em preto e branco – ela disse “MADONNA” “O” era laranja. Eu vi as duas fotos lado a lado e ri como se fosse alguma versão rap de Beauty & the Beast. Então eu coloquei um pequeno pedaço de laranja no canto, em parte porque precisava de algo distintivo, e em parte para combinar com a cor de Madonna.

madonna

Descreva como era o ambiente de trabalho na Stones Throw na época. Vocês estavam todos vivendo juntos na mesma casa, certo?

Jeff Jank: Sim, estávamos todos nesta casa em East, Los Angeles, e eu ainda vivo lá hoje sozinho. [Peanut Butter] Wolf tinha este tipo de rótulo de DJ do quarto hip-hop que ele tinha começado alguns anos antes, e decidiu se mudar para L.A. para trabalhar mais perto com Madlib. Egon e eu nos juntamos ao mesmo tempo. Foram os três, sem planos e sem dinheiro. Madlib mudou-se para lá, primeiro montou uma loja na sala de estar, e depois entrou no abrigo anti-bombas da era dos anos 50, com paredes de concreto de 18 polegadas. É como se fosse feito sob encomenda para ele – ele fez música o dia todo em uma programação consistente que realmente me impressionou – e o mais impressionante eram  suas três pausas por dia, que eram para fumar gigantescos montes de maconha;

Nós todos apenas mergulhamos nisso como um projeto vivendo nele 24/7. Depois de fazer isso por um ano ou dois, um dia Madlib disse que gostaria de trabalhar com Doom. Egon conhecia um cara que sabia quem conhecia Doom, e a próxima coisa que você sabia que Doom também estava fazendo: “Fazer bongs no telhado na Costa Oeste”, como ele diz na primeira faixa que ele escreveu para o álbum. Eu realmente não percebi o que era um momento idílico, até que as coisas ficaram mais complicadas alguns anos depois.

O que você lembra sobre o processo de Madlib e Doom trabalhando juntos, e como eles moldaram suas próprias idéias de como apresentar a música?

Jeff Jank: A parte mais importante de seu processo é simplesmente que Doom entendeu Madlib. Ele entendeu de onde ele estava vindo com a música, como isso se relacionava com os discos que eles ouviram dos anos 60-90, e a inclinação de Madlib para trabalhar sozinho em privacidade. Doom era tudo para ele.

Eu freqüentemente buscava Doom em um hotel cada dia. Chegamos a uma loja de bebidas às 10h. Escrevia na varanda dos fundos, Madlib fazendo a coisa lá embaixo no abrigo de bombas. Eu não sei dizer se isso influenciou a obra de arte. Na maioria das vezes eu estava apenas preocupado com o álbum ficar terminado. Eu também tive essa confusão com Doom onde fizemos um comércio: eu fiz uma pintura em troca dele colocando algumas palavras-chave desafiadoras nas letras. Essas palavras permanecerão secretas, mas estou feliz em dizer que ele colocou para fora um par de meus personagens de desenho animado Hookie & Baba na faixa lounge “Bistro”.

Em algum lugar ao longo do caminho, a primeira demo “Madvillainy” vazou na web, e realmente azedou o processo para eles. O processo de levá-los de volta ao trabalho levou a maior parte de 2003, e as últimas partes do álbum foram muito mais difícil do que tudo. No final quase todo mundo estava frustrado, e eu acabei sendo o último cara no estúdio fazendo uma pequena edição aqui e ali, o que eu nunca tinha feito antes no Stones Throw. Eu dirigi para casa pensando, esta é uma ótima música, um grande beatmaker, um grande MC, e eu tenho um grito para os meus personagens de desenhos animados, a vida é muito boa.

Apesar disso, fiquei realmente surpreso com o amor que o álbum teve. Até hoje eu vejo novas pessoas descobrindo e sendo inspirado por esse disco e estou realmente feliz por ter feito parte dele. (Isso até torna o processo multi-ano do mítico segundo álbum algo suportável.)

Embora eu soubesse que Doom fez parte do KMD, eu não sabia até um pouco mais tarde que ele tinha desenhado a capa de Black Bastards ou tinha algo a ver com artes visuais. Conversamos mais sobre isso mais tarde, mas no momento tudo que eu sabia era que ele estava sendo absolutamente contra o uso de seu “rosto” na capa. Quando ele veio para ve-la um dia, seu cara Big Ben Klingon simplesmente estava com ele. Eu tive sorte. Doom gemeu quando viu a foto, mas Ben imediatamente percebeu. Ele estava uivando: “Olhe para esse cara, qual é a história dele ?! Isso é perfeito!” Ben agradeceu pela capa.