Rapaz Comum

Texto inspirado na música Rapaz Comum do grupo Racionais Mc’s, em comemoração aos 20 anos do aclamado disco “Sobrevivendo no Inferno“.

Edivaldo morava em um dos extremos da cidade de São Paulo, tinha 22 anos, torcedor fanático do Santos, morava com sua namorada e a filha de 3 anos na casa da sogra, era estoquista de um hipermercado 24h.

Pegava trem todo dia antes de amanhecer para chegar no trabalho às 6h, gostava de ficar ouvindo música no caminho enquanto lia as notícias de futebol no celular. E naquela manhã ele estava ansioso demais: quinto dia útil e final de Copa do Brasil, o Santos ia jogar. Naquele mês de outubro ia cair um bônus das horas extras que ele fez em setembro, uns reais a mais no salário, esmola de patrão, cuzão milionário, mas aquilo não importava, Edivaldo achou melhor pensar que naquele dia poderia se dar ao luxo de tomar umas brejas vendo o alvinegro praiano. Enquanto escutava Me Faça Forte, leu que seu time não tinha nenhum desfalque para a decisão.

Chegou cedo no trabalho como sempre e fez tudo que lhe foi pedido sem reclamar, lembrou que tinha que levar leite e umas balas que prometeu para a filha, fez um vale. Comeu dois mistos quente e tomou café com leite na padaria do lado do trabalho na hora do seu intervalo, leu mais umas duas ou três notícias de futebol, deu risada de memes, mandou mensagem para a namorada avisando que ia levar o dinheiro de duas contas que tinham que ser pagas.

Aquele dia ele saiu do trabalho com muita pressa para aproveitar a tarde: puxar um ronco, ficar descansado, mas antes comprar umas quatro latinhas de cerveja para tomar vendo seu time jogar. Um farol antes de chegar na estação, Edivaldo saiu correndo para conseguir passar no sinal verde e foi parado por dois policiais na calçada seguinte, nisso ele perdeu mais ou menos seis minutos e dois trens. Foi liberado ouvindo que foi confundido com um suspeito de furto em um hipermercado próximo, não recebeu­­­ um pedido de desculpas no término do enquadro. Quando passa na catraca da estação, o segurança da CPTM comenta:

– Que merda hein…

– Os cara é racista, né? Fazer o quê?

– Racismo não existe, comigo não tem disso. É pra sua segurança.

– (silêncio)

Já no trem voltando para casa, Edivaldo presta atenção na molecada vendendo balas Fini, percebe que dentro do vagão tem um amigo de infância, o Telhada, que era mais velho e com quem perdeu contado depois que ele foi estudar na Barro Branco. Esse cara estava bem tenso, sentado de braços cruzados e olhando fixamente para as crianças que vendiam as guloseimas. Um dos meninos foi entregar o troco de uma venda a uma senhora, e de repente Telhada levanta gritando e já segurando o menino que nem um metro e meio tinha pela gola da camiseta suja e gasta.

 

Todo mundo abismado logo de cara dentro do vagão pediu para que o metido a Charles Bronson soltasse o moleque, Edivaldo levantou e peitou Telhada, pediu por favor, mas com raiva para que o (ex)amigo soltasse a criança. O guardinha usou argumento de vidente, afirmou que o ambulante ia roubar o celular da senhora, mas viu que as pessoas em volta não te davam razão, decidiu soltar o menor, mas deixou claro, que o ditado dos cem anos de perdão não funciona para ladrão que defende ladrão, mesmo sem ter nenhum em vista naquele momento, mas aquilo fez Edivaldo lembrar do seu passado.

 

Quando era menor de idade, o protagonista dessa história queria ter respeito entre seus colegas que não se respeitavam, gostava de aparentar que sabia tudo sobre bandidagem, que podia fazer e acontecer como um inimigo público tupiniquim, de tanto querer ser, acabou parecendo e esses colegas resolveram chamá-lo para um assalto de computadores novos da escola que estudava. Ele sequer podia sair de casa depois das 22h, mas aceitou o convite e disse para sua mãe que ia fazer trabalho na casa de um amigo, sem noção de consequência alguma, Edivaldo foi ficar de vigia na porta do colégio enquanto os ladrões reais faziam seu trabalho.

 

A única coisa que ele devia fazer era jogar uma pedra na janela da sala onde tinha as máquinas caso visse de longe uma viatura. Mas foi pego de surpresa, em um domingo, 0h45 na rua deserta em frente a sua escola, a polícia o enquadrou, perguntou o que ele estava fazendo aquele horário parado naquele lugar, gaguejando e tremendo em uma noite quente, ele disse que só estava ali parado mesmo.

 

Os policiais resolveram dar uma olhada dentro do colégio, pegaram todos que estavam lá dentro em flagrante e levaram para a delegacia. Edivaldo era o único de menor de idade, foi mandado para Fundação Casa, passou nove meses por lá, tendo como recompensa a decepção da sua mãe, o afastamento dos amigos de verdade, e a dúvida cruel se aqueles que foram presos estavam com raiva dele ou não.

Com a gaveta do passado fechada, Edivaldo chega em casa já entregando o dinheiro para a esposa, que te recebe com um sorriso, não tão grande como o de Manuela, sua filha que só queria saber das balas prometidas. Ele almoça e depois vai para o mercado comprar suas latas de Itaipava, no caminho encontra um amigo – também santista – que lhe convida para assistir o jogo na sua casa, onde ia ter cervejas e quitutes, o convite é aceito e ele em vez de subir de volta com cerveja pra casa, subiu com Yakult para a filha, nisso a sua esposa já te via como herói, e ele nem tava sabendo.

A soneca prometida pra si mesmo mais cedo foi tirada, já era noite e faltava apenas meia hora para começar o jogo tão esperado, aquela altura ele tinha certeza de que ia soltar o grito de campeão, o dia tinha sido estranho, mas tudo deu certo, até porque sua família estava bem, só faltava bola no fundo da rede a favor do seu time.

Edivaldo chega na casa do amigo 10 minutos antes de começar a partida, conversa e risada, cerveja e carne assada, tava sendo um bom fechamento para o dia. O jogo começa e o frio na barriga vem junto.

A campainha toca, ele próprio decide ir atender, sente um calafrio mas não dá atenção, quando ele abre e porta só vê um homem encapuzado na sua frente, que saca um treizoitão e lhe acerta tiros que ele nem raciocina ao ponto de conseguir contar. Ele cai no chão tentando entender o que aconteceu, tenta lembrar quem poderia fazer aquilo, será que tava sendo cobrado pelo roubo mal sucedido de anos atrás? Será que foi o guardinha que encontrou mais cedo no trem e te chamou de ladrão? Será que foi baleado por engano… No lugar onde morava aquilo era comum, podia ser qualquer coisa.

Nada importava, Edivaldo deu espaço para outros pensamentos, será que o Santos ia ser campeão? Será que a sua filha ia sentir falta dele? Ela ficou tão feliz quando ganhou as balas que tanto gostava… 

Escute a música Rapaz Comum.

Anúncios

Autor: guil1991

"Destacado eu vejo tudo acontecer". Estudante de 25 anos, escrevo pra compensar minha quietude. Escuto Rap pelo gosto e necessidade.

2 comentários em “Rapaz Comum”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s