20 anos de “Sobrevivendo no Inferno”

” 60 por cento dos jovens de periferia sem antecedentes criminais á sofreram violência policial. A cada quatro pessoas mortas pela policia, três são negras.
Nas universidades brasileiras apenas 2 por cento dos alunos são negros.  A cada quatro horas, um jovem negro morre violentamente em São Paulo
Aqui quem fala é Primo Preto, mais um sobrevivente”

 

No final de 1997, era lançado o que, pra mim, é o maior álbum da história do RAP Nacional – e que talvez nada o supere em questão de importância ou qualidade, numa época em que ninguém dava atenção ao som que vinha das favelas do Brasil.

 

“Sobrevivendo no Inferno” foi o quinto álbum de estúdio lançado pelos Racionais MC’s. Antes disso, o grupo já tinha uma reputação de 10 anos na cena underground, onde o RAP, em quase sua totalidade, existia. O disco foi o maior divisor de águas dentro da cena e o primeiro a romper as barreiras do “subterrâneo”, e a atingir um conhecimento dentro da cena mainstream da música, chegando até a MTV e outros canais, passando da marca de 1,5 milhões de cópias vendidas na época do lançamento. Tudo isso de forma totalmente independente.
Mas, antes de falar sobre o disco de forma técnica, ou fazer uma resenha sob a ótica musical, acho importante dizer o quanto esse disco é importante pra mim, de forma sentimental, ou com relação a minha vida e iniciação ao RAP:

“O ano era 98, 7 anos de idade, meu pai trabalhava em um shopping na Avenida Paulista. Ele tinha um amigo, que tinha um Chevette (eu amo Chevette demais, espero que a fotografia de RAP me de granas pra comprar um, hahahaha), e sempre tocava nesse carro uma fita k7, com uma batida forte e umas letras que, na época, me apavoravam. Sempre que eu ia dar um rolê com meu coroa depois do trabalho, eu estava nesse carro, ouvindo essa mesma fita. Até que, um dia, perguntei ao amigo dele do que se tratava, e ele me mostrou uma capa preta, com uma cruz no meio e letras que eu – ainda, não entendia.

 

Capa criada pelo artista Marcos Marques.

 

Chegando em casa, um dia, disse que queria demais essa fita. Enchi o saco dos meus pais, até que eles me deram uma grana – algo em torno de 5 reais, para comprar a fita. Só que havia um porém: Meu primo também amava essa fita, e a única banca do bairro que vendia, tinha apenas uma fita. Decidimos, eu e meu primo, apostarmos corrida até a banca, para decidir quem ficaria com ela. Eu venci, e comprei a fita.

 

Nunca soube por onde ela se perdeu nesses 20 anos depois do episódio. Mas tenho uma lembrança maravilhosa dessa época, do que vivia, do mundo como era, do prazer que existia em ouvir RAP num toca-fitas e coisas do tipo. Deixo aqui registrado meu agradecimento ao meu pai e ao amigo dele, por me introduzirem, sem saber, ao mundo do RAP.”

 

Passada minha história ~lindinha~, gostaria de fazer algumas observações sobre o disco e desenrolar a resenha falando um pouco mais do trabalho.

 

“Sobrevivendo no Inferno” é o álbum mais aclamado dos Racionais por diversos motivos. Além de ter sido o grande boom para o grupo, concretizando o posto deles como o grupo mais importante da história do RAP Nacional, ele trás uma produção impecável do KL Jay. Nomes como Isaac Hayes, The L.A Express, Edwin Starr, Curtis Mayfield, Tim Maia, Bar-Keys, entre vários outros figuram entre as amostras usadas pelo DJ e produtor para compor o disco.  As batidas, sempre muito agressivas, assemelhando ao Gangsta RAP americano, contrastam com os samples da velha escola do soul, funky, blues, o que eu acho foda pra caralho.

 

Difícil para mim, que sempre tive um apreço maior por batidas do que por letras, escolher qual delas eu mais gosto, percebo que todas foram feitas de forma muito estudada e nenhuma delas se parecem nesse disco, apesar da temática uniforme. Mas, andar de Opala ouvindo “Capítulo 4, Versículo 3” é quase um orgasmo auditivo. Outra música importante pra caralho é “Rapaz Comum”, um relato incrível da criminalidade, visto em primeira pessoa pelo Edy Rock, sendo essa, pra mim, a melhor letra do Cocão, de todos os tempos. O boombap tomou novas formas nesse disco, saindo do padrão de batidas de marcações “quadradas” (o que não é uma critica, mas uma forma que algumas batidas eram feitas no Brasil, nessa época, na questão do sequenciamento da bateria), para coisas mais elaboradas, com uma pegada mais quebrada, enfim, o padrão foi quebrado com primazia.

 

Ou seja, é um álbum para se ouvir do começo ao fim, sem ter a sensação de que as coisas foram feitas todas da mesma forma, Até porque, estamos falando de KL Jay, amigos.

 

Com relação as rimas, pode ser até algum clichê falar da qualidade e do storytelling que tem os integrantes do grupo, mas devemos frisar que, em 1997, a taxa de homicídio em São Paulo era a terceira maior da América Latina, e um jovem do bairro Capão Redondo tinha 12 vezes mais chances de morrer, segundo dados no site RAP Genius. A crueldade da polícia com a população das favelas era extrema. No mesmo ano do lançamento do álbum houve o caso da chacina na Favela Naval, em Diadema/SP, que ficou conhecido no Brasil todo. Foi um disco que retratou isso, onde a mídia jamais fez questão de entrar é contar a história daquelas pessoas. Foi um disco que escancarou problemas que os negros sofrem no Brasil desde que aqui pisaram pela primeira vez. Não apenas os negros, mas os jovens de toda a periferia, não apenas em São Paulo, até porque “Periferia é periferia, em qualquer lugar a gente morre”. Em 2007 a Revista Rolling Stones elegeu o disco como o 14º melhor álbum da musica brasileira.

 

Nessa lista, além desse disco, temos também “Nada como um dia após o outro dia”, também dos Racionais. Com isso, podemos ver como era o cenário da época, não só para o RAP, mas para toda a cultura preta e periférica.

 

Passando por letras que trazem os poucos momentos de alegria, curtição dos negros e favelados da época, retratada em “Qual mentira vou acreditar”, os moleques perdidos na cola em “Magico de Oz”, os amigos que se foram, a vivência nas quebradas e nostalgia em “Formula Mágica da Paz”, entre muitos e muitos clássicos presentes no disco.

“Sobrevivendo no Inferno” é um documento histórico de como viviam, e de como eram mortos os jovens das comunidades carentes – o que o RAP nunca deveria deixar de ser.

Para quem ainda não conhece o disco OUÇAM o quanto antes e peguem o Asè dos Deuses do RAP Nacional.

O produtor Jundiaiense SonoTWS acaba de lançar sua nova tape, “Street Talk”.

Conheci o Sono na época em que eu arriscava uns grafites pelas ruas de São Paulo, isso em 2013, quando o mano lançava seus bombs pela gangue TWS (“Os Meia de Lã”, dai vem a sigla do seu vulgo). Tempos depois, o mano lançou sua primeira tape, chamada “TWS”, pelo selo BeatWise Records, daqui de São Paulo.

De lá pra cá o cara havia lançado mais dois trabalhos, “Mocado”, também pela Beatwise e “Sentimentos” , lançado pelo selo americano Us Natives Records”

Hoje foi lançado seu quarto trabalho, intitulado “Street Talk”, mas dessa vez pelo próprio selo do produtor, chamado “Tired of People”, que era um sonho do cara, como ele explica:

“É a primeira do meu selo Tired Of People, algo que sempre sonhei e fiz tudo do jeito que eu queria, com a estética que eu queria, tudo nos mínimos detalhes. Chamei os amigos para colaborar e o mais legal de tudo isso, consegui pagar todos eles, fortalecendo também a arte/cultura independente e o corre de cada um.”

“Street Talk”, vem com a estética já muito particular do cara, retratando por meio de batidas de kick seco, samples dos anos 90, arranhos de disco e baterias que nos transportam a Golden Era do RAP, as noites pela cidade, os rolês de graffiti e a vivência pelas madrugadas do mundo. É uma trilha sonora perfeita para quem gosta da noite, das caminhadas, e dos jets. É também um resgate do estilo e da própria união da cultura Hip-Hop, como podemos observar pela capa da tape, criada pelo escritor de rua “OBOE”, referência em fotografia,tag, graffiti, ou seja, os elementos do Hip-Hop se fazendo presente dentro do trabalho do Sono.

A tape, composta por 19 faixas, foi produdiza nos samplers Emu Sp-12 Turbo, Akai S950 e Sp303, o que dá um tom ainda mais nostálgico.

As 14h começa a pré-venda da tape no BandCamp oficial do selo, onde serão vendidas 25 fitas no Brasil e mais 25 para o exterior. Então corre, garanta a sua e bote nos fones, pois o Sono é foda e, quem não conhece, vai se surpreender com a qualidade do trabalho do cara.

 

 

 

 

 

 

 

 

NMGA pede LICENÇA PRA CHEGAR!

Texto original publicado na página do selo Carranca Records.

Hoje, 21, o Bruno a.k.a NGMA lançou oficialmente seu primeiro single, “Licença pra chegar”, pelo selo Carranca Records. Lançamento esse que foi o último lançamento do ano.

“Licença pra chegar” é a introdução do NGMA no mundo do rap. É uma declaração de amor ao hip hop e ao rap, que muda e salva tantas vidas diariamente. Uma autêntica carta de apresentação ao game, NGMA mostra que não veio pra brincar.

Com referências desde Ab-Soul, até Rua de Baixo, passando por todo o supra sumo do RAP nacional e internacional, NGMA vem mostrando toda sua versatilidade, lírica e rimas carregadas de sentimento e vida.

Fiquem ligados na página do coletivo, pois em 2017 os caras vem com tudo!

 

 

 

Rap em Movimento marcando presença na 2ª edição da Festa Punga.

No último domingo, 18, o Rap Em Movimento marcou presença na 2ª edição da Festa Punga, realizada no Estúdio Lâmina, no centro de São Paulo.

Nessa edição, o foco foi na discotecagem, com a presença dos DJ’s Mista Brown (Rashid), Marcel (Mob79), Vins (Blkkk), Família JBC (Jean, César e Barata), Beans ( Helibrown/Outroplanet) e Minizu ( Augusto Oliveira/SNTL Sounds).

 

Segundo Guilherme, nosso colunista do blog que que esteve presente no evento, “2016 foi um ano complicado em alguns aspectos. Ver pessoas que vivem a cultura Hip-Hop arrumando treta desnecessária foi ruim de aturar. Mas ir pro centro de SP, em um domingo a tarde e participar de uma festa igual a Punga foi foda, ver que ainda tem gente que cola em rolê pelo som que vai ouvir foi muito bom, SP precisa de mais festas como a Punga, onde o público bate palma ouvindo These Walls”.

Confiram abaixo algumas fotos do rolê!

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

 

ATTICA! e NGMA na 17ª Feira de cultura de Santa Tereza.

Ontem, 11 de Dezembro, aconteceu a 17ª Feira de cultura de Santa Tereza, evento que ocorre todo ano na região de Embu das Artes, São Paulo.

E nessa edição o Rap Em Movimento foi prestigiar as apresentações do grupo ATTICA! e o MC NGMA, no palco principal da feira.

Foi um rolê totalmente voltado para a quebrada, aos moradores da região, e foi muito bacana acompanhar o som dos meninos, com mensagens fortes, sobre a vida, a truculência policial, a atual política nacional, o problemas dos pretos e dos pobres na sociedade, o que foi bem recebido por todos ali presentes.

Tanto o ATTICA! como o NGMA tem projetos para serem lançados no ano que vem, mas vocês podem acompanhar os sons já lançados dos caras aqui.

 

Abaixo vocês podem conferir algumas fotos da apresentação dos caras:

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

O grupo ATTICA! lançou seu primeiro single “Dark Samba”.

O ATTICA! é um grupo recente, residente na cidade de SP, com integrantes da Zona Sul e Norte da cidade, formado pelo Tiago Moti, Akhim e DJ Guto.

Os manos lançaram hoje seu primeiro single, chamado “Dark Samba”, que trás uma batida TRAP pesada, produzida pelo angolano pretochines e mixado pelo Mud, do coletivo Ho Mon Tchain.

O som saiu pelo selo Carranca Records, que também é novo na caminhada, mas com pessoas de qualidade, que vem trabalhando muito para lançar os trabalhos na rua de todos os MC’s e produtores associados.

O single tem uma levada de rua forte, relatando vivências, rolês e reflexões acerca do que cada um deles presenciam na cidade de São Paulo e sobre suas questões internas.

Vocês podem conferir o som aqui.

Sobre mulheres, cinema, futebol e as festas na ilha: A obra-prima do Jovem Maka.

Lembro do dia que a Dé (colaboradora do Rap Em Movimento) me mandou essa mixtape no inbox e disse: “Marco, escuta isso que acho que você vai gostar”.

Eu sou um pouco resistente para conhecer coisas novas, por causa do meu amor por tudo que é velho, porém a capa me chamou muita atenção: uma ilustração simples do que parece ser uma mulher, ou duas mulheres, entrelaçadas em suas partes íntimas. Dei play, e dali em diante esse álbum virou um grande novo amor nos meus fones.

Makalister é um MC de Santa Catarina, mais precisamente Florianópolis, que já lançou alguns trabalhos anteriormente, como o EP “Makalister Renton, que vocês podem conferir aqui e muitos outros singles lançados em seu canal no YouTub

Seu nome é uma homenagem ao jogador de futebol Mac Allister, que atuava pelo Boca Juniors, da Argentina; Como podemos notar aqui, e durante a análise de alguns sons do Maka, ele tem uma paixão muito grande por futebol, o que ele desenrola em suas músicas.

O cara, que  sem trampar desde agosto desse ano, decidiu usar esses 4 meses que restam de 2016 para dar vida as suas produções, como o mesmo afirmou em entrevista para a VICE.

Mas, tirando um pouco do foco sobre os trabalhos anteriores do MC e de sua vida, fiquei encantando pelo último trabalho lançado, que é o tema dessa resenha.

“Laura Miller Mixtape”, que dá nome à obra, é uma homenagem, como o mesmo sinalizou no lançamento do trampo no seu canal na internet. Uma homenagem a suas influências e toda sua rica bagagem cultural que permeia a mixtape. Aliás, esse é o primeiro lançamento de uma trilogia chamada “Sexo a Três”, que conta com mais dois lançamentos chamados “Camila Pitanga Mixtape” e “Fernanda Takai Mixtape”. Daí já podemos ter uma ideia do que vem pela frente.

“Laura Miller Mixtape” e´quase que totalmente baseado nas experiências do Maka a acerca do amor, sexo, e dos relacionamentos em geral. Claro que, durante as rimas, podemos ter uma ideia das reflexões do cara com relação a sua vida, sua visão de mundo, ideologias, bem como percepções sobre outros assuntos. Porém, o álbum tem uma carga enorme de rimas e histórias sobre o amor, e isso pode ser visto na própria capa do trabalho e em seu nome, inspirado na sexóloga do Programa Altas Horas.

O curioso sobre esse trabalho é que a maioria das rimas foram gravadas em um celular, dando um tom sujo e caseiro ao trabalho, o que, ao contrário do que se possa imaginar, não tira mérito a qualidade da mixtape, que foi mixada pelo Goss e Rodrigo Locaut, além das produções, que beiram o TRAP e beats experimentais, dos quais me chamaram muito a atenção pela qualidade, sendo alguns produzidos pelo próprio Maka e outros manos como Elifi, Victor Xamã e Arit.

A mixtape começa com “Punto G”, que faz um trocadilho com o Ponto G, e é uma música onde o Maka fala sobre uma garota que se relacionou e alguns de seus gostos e suas visões de mundo, Além disso, ele trás a sua percepção sobre o jogo do RAP e sobre seus desejos com relação ao seu futuro, como podemos ver no trecho:

E quando eu partir outro guerreiro nasce/Eu vou fazer valer os meus dias na terra/Bem sucedido, muito fino/Escrevendo livros, dirigindo filmes/Tatuar na costela “SPEED FREAKS”/Rodar o Brasil enquanto escrevem “disses”/Copiando o meu flow e o estilo dos beats”.

Além disso fica explicito o amor do cara pela arte, e sua influência pelo underground.

O trampo vai se desenrolando com sons como “Um homem que dorme”, uma das várias referências ao cinema cult, como ao filme de mesmo nome do som. Aliás, graças a esse trabalho, eu mesmo passei a me interessar mais por cinema e conhecer um pouco desse “lado b” da cena. Outro som que tem o título inspirado no cinema é “Pele que abandono, fazendo alusão ao filme espanhol “Pele que habito”.

Fica difícil falar de todas as músicas da mixtape detalhadamente, porém, dois sons me chamaram muito a atenção e por isso quero citar ambos nesse review.

O primeiro deles é “JovemBlvckFriday” que tem um dos beats mais cabulosos do trabalho pelo estilo atemporal e experimental do mesmo, sendo complicado até mesmo de dizer qual estilo do mesmo. E tem uma letra que mostra uma outra face do MC, talvez mais otimista e menos melancólica, ou menos nostálgica com relação ao amor, caso prefiram este termo. Se baseia nas “festas da ilha”, onde o mesmo reside, e serve de pano de fundo para muitos dos rolês do Maka, “onde as garotas bonitas se soltam”, como o mesmo diz na rima.

Outra música que me chamou a atenção foi “Faixa 08”. Em minha opinião é a faixa que bate o carimbo quanto a qualidade da sua lírica, a bagagem cultural que o MC incorpora em suas músicas e que mostra toda sua capacidade metafórica, marca registrada nas rimas e que me deixou apaixonado por esse trabalho.

Em versos como:“Mulher indômita/Fruta que caiu longe do pé/Longe do prédio” podemos ver o jogo de palavras, a exploração do mesmo com relação a palavras pouco usadas em rimas, e a metáfora entre “fruta que caiu longe do pé” e uma pessoa que o MC, segundo suas rimas, não teve com ele.

No resto da música, como nas demais da mixtape, podemos notar o uso de pano de fundo de situações banais, mas com uma riqueza enorme de detalhes, o que faz com o que o álbum se projetasse na mente de quem o ouve, se tornando quase que um clipe mental.

Um adendo é que, todas as demais músicas são muito fodas e trazem suas particularidades, mas todas elas envolto dessa temática, o que torna a mixtape bem fluída. sendo possível ouvi-la do começo ao fim, o que é muito agradável para quem tá curtindo o som.

Resumindo, “Laura Miller” é um álbum que trás boas e más lembranças para todos aqueles que já viveram histórias de amor, de sexo, mas que mexe com a cabeça e imaginação de quem está ouvindo. Makalister é um dos MCs mais líricos e talentosos da nova geração, e confesso que, esse foi um dos meus álbuns favoritos do ano. Fica evidente a facilidade do Maka em contar situações com detalhes que nos fazem imergir na história e no som, criando todas as situações ali apresentadas. E também não deixa de ser uma grande referência para quem é amante da sétima arte. É um trabalho que pode ser escutado junto do seu amor, da galera, mas que, quando sozinho, na madrugada, tem um sabor muito especial.

Vocês podem conferir a mixtape aqui e seguir o trabalho do Makalister em sua página no facebook facebook.