Minas do Rap: 5 mulheres inspiradoras para o hip hop internacional

O Rap em Movimento traz um especial para mês da Mulher.Listamos 5 mulheres inspiradoras para a cena mundial do hip hop que você deveria conhecer um pouco mais sobre o trabalho delas.

 

  1. Ana Tijoux

Anita ou Ana Tijoux é conhecida por ser engajada nos movimentos sociais latino-americanos, dá voz à luta dos índios Mapuche em suas letras e também ao movimento estudantil do Chile, que tem ganhado cada vez mais força. Além disso, combate o machismo, a violência doméstica e canta pela liberdade dos povos do mundo, ressaltando sempre a coragem dos latino-americanos de não se curvarem ao imperialismo.

 

giphy

Já recebeu os prêmios de “Melhor Artista Revelação” e “Melhor Artista Urbana” no MTV Video Music Awards. Com seu disco 1977 venceu quatro categorias no Gremmy Latino, entre elas “Melhor álbum rock latino” em 2011. E com seu último lançamento, Vengo, em 2014 repetiu o sucesso ao receber o mesmo troféu.

 

  1. Missy Elliott

Dispensa apresentações né?

elliott

 

Melissa Arnette Elliott, mais conhecida como Missy Elliott é considerada a “primeira-dama da inovação do hip-hop”.

A cantora já compôs para artistas como: Aaliyah, Nelly Furtado e Ciara. Entre seus hits mais famosos estão as músicas The Rain (Supa Dupa Fly), “Hit ‘Em Wit Da Hee“, “Get Ur Freak On“, “One Minute Man“, “Work It” e “Lose Control“.

Influenciada pelo rei do pop, Michael Jackson, e com uma carreira que já dura 17 anos, Elliot tem um número significativo de 24 milhões de CDs vendidos e atualmente é a rapper feminina mais bem sucedida de todos os tempos.

Quem nunca teve vontade de imitar ela dançando?

elliott II

  1. Beyoncé

Who run the world ? \õ

 

bey

 

Beyoncé Giselle Knowles Carter nasceu em Huston, Texas, nos Estados Unidos, no dia 04 de setembro de 1981.

A Queen Bey é uma cantora, compositora, atriz, dançarina, coreógrafa, arranjadora vocal, produtora, diva master das manas ❤

Em 2003, ela lançou seu álbum de estreia em carreira solo, Dangerously in Love. O álbum teve um bom desempenho comercial e os singles “Crazy in Love” e “Baby Boy” alcançaram o primeiro lugar na Billboard Hot 100. No ano seguinte foi premiada com cinco Grammy Awards.

Desde então a carreira da Diva só decolou. Até 2010 Beyoncé possui cinco singles em primeiro lugar na Billboard Hot 100. Ao longo de sua carreira solo ela já vendeu 75 milhões de discos em todo o mundo isso fez dela um dos artistas de música que mais venderam discos de todos os tempos. Se juntar as vendas de discos de Beyoncé e do Destiny’s Child o resultado irá ultrapassar mais de 110 milhões de discos vendidos!

beyII

Os números da carreira de Beyoncé são apenas os resultados que ela vem colhendo de um trabalho impecável. Em seus álbuns sempre está presente a questão do empoderamento feminino e da mulher negra, como em seu novo single “Formation”.

Queen Bey não canta apenas sobre a mulher achar um príncipe encantado ela canta sobre as mulheres dominarem o mundo!!

 

  1. Erykah Badu

Erica Abi Wright nasceu do dia 26 de Fevereiro de 1971, no Texas, Estados Unidos.

A entrada de Erykah Badu no mercado fonográfico foi triunfal, a imagem da cantora com seus turbantes coloridos se espalharam pelo mundo. Ela foi capa de várias revistas, inclusive a Rolling Stone. Sua consagração aconteceu na entrega do Grammy em que ela levou, na categoria R&B, os prêmios de melhor álbum e melhor vocal feminino. A força das apresentações rendeu um disco ao vivo ainda em 1997, Live, com uma mistura de versões de Baduizm e covers em versões ao vivo.

erykah

Nessa época Erykah era constantemente comparada a Billie Holiday e Bessie Smith. A cantora foi uma das responsáveis pela reinvenção da música soul.

Entre seus singles de sucessos estão “You Got Me“, “Bag Lady”, “on & on” “Tyrone” e “Window Seat” (Tem mais gente é que é difícil escolher) ❤

 

  1. Lauryn Hill

Não tem como falar de Divas do hip hop internacional e não lembrar da maravilhosa Lauryn Hill.

hill

Lauryn Noel Hill nasceu em South Orange, New Jersey em maio de 1975. Com um vocal potente, Lauryn fez parte do grupo The Fugees nos anos 1990. Entre as canções mais famosas do grupo está a regravação Killing Me Softly de um sucesso na década de 1970 de Roberta Flack.

Em seu primeiro álbum solo,The Miseducation of Lauryn Hill (1998), a cantora quebrou barreiras para as artistas negras. O disco vendeu mais de 420 000 cópias na primeira semana, ultrapassando o recorde de Madonna, e desde então já vendeu mais de 17 milhões de unidades no mundo inteiro.

Além de abrir as portas da indústria para as mulheres, Hill, abriu para o hip hop. O álbum The Miseducation foi o primeiro disco de hip hop a vencer o Grammy de Álbum do Ano.

Em 1999, ela foi indicada para 10 Grammys e ganhou 5 deles, na época um recorde para uma mulher. Suas cinco estatuetas criaram uma audiência mais ampla para o hip-hop e ajudaram o gênero a conquistar o mainstream.

 

Bônus

Queen Latifah

Obvio que não podia faltar essa mulher maravilhosa. Para quem não sabe antes de ser atriz Queen Latifa começou sua carreira como rapper.

queen

Nascida Dana Elaine Owens em março de 1970 em Newak, New Jersey a cantora começou sua carreia na música no final dos anos 1980 fazendo beat box.

Queen Latifah deixou sua marca no hip-hop por ter sido uma das primeiras rappers a fazer músicas sobre os problemas que as mulheres negras enfrentavam nos EUA.

A artista também cantou jazz e soul. No ano de 207 ela lançou o álbum “Trav’lin light”, que teve participações de grandes nomes, como Jill Scott, Erykah Badu, Joe Sample, George Duke, Christian McBride e Stevie Wonder.

Queen Latifah é vencedora de um prêmio Grammy e de um Globo de Ouro. Também foi indicada ao Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante por Chicago.

Fala sério né gente… essa mulher é maravilhosa ❤

latifah

Minas do Rap: 6 mulheres inspiradoras do Rap Nacional

Para mostrar a pluralidade de estilos e a força feminina dentro do rap, selecionamos para você, no Dia Internacional da Mulher,  6 brasileiras que arrebentam nas rimas. Dá uma olhada:

1. Dina Di

Considerada uma das mulheres mais respeitadas do rap nacional, Viviane Lopes Matias, mais conhecida como Dina Di, faz jus ao título. Sempre armada com rimas intensas, cheias de emoção e realidade, a MC faz muito “rap” parecer música de ninar.

Déborah Diniz rap dina di
A MC começou sua carreira no ano de 1989, foi vocalista do grupo Visão de Rua que emplacaram os clássicos “Amor e ódio”, “Marcas da Adolescência”, “A Noiva de Thock”, “Última Chance” e muitos outros.

Indicada a diversos prêmios e festivais brasileiros, com destaque ao Prêmio Hutúz, onde foi escolhida na categoria Melhores Grupos ou Artistas Solo Feminino da década.

Em 2010, após dar a luz a sua segunda filha, a MC teve uma infecção hospitalar e faleceu.

Passando por cima da pobreza, da ausência da família e do machismo, Dina Di não só conquistou o seu espaço no rap, mas abriu os caminhos para todas as mulheres que querem seguir no movimento.
2. Tássia Reis

Direito de Jacareí, São Paulo para o mundo, Tássia Reis!

Com discurso e estilo empoderado, a rapper traz nos seus sons grandes influências musicais como Jazz, R&B, MPB.

Em 2014 lançou o seu primeiro EP – que leva o seu nome –, apresentando os com os hits “No Seu Radinho”, “Meu Rapjazz” e a deliciosa “Good Trip”. Além das participações de e Tiago MAC, nas produções os Djs Skeeter, Poska, Kibão Beats e outros, a direção geral do EP ficou por conta do Diamantee. Pesadíssimo, né?

Déborah Diniz
3. Flora Matos

Aos 18 anos chegou a São Paulo disposta a viver de música e hoje aos 27 anos é considerada uns dos grandes nomes do rap nacional da atualidade.

flora matos canta pra chamar

A rapper brasiliense, Flora Matos emplacou grandes hits ao longo da sua carreira, como “Pretin”, “Esperar o Sol”, “Comofaz” e o mais novo single, lançado em 2015, “Canta pra Chamar” , som que vai compor o seu novo álbum que provavelmente será lançado ainda esse ano.

Pelas palavras de Mano Brown para o site Exame, Flora é uma das únicas que consegue misturar diversos gêneros musicais de forma natural, sem forçar a barra. A própria já comentou em algumas entrevistas que se identificou com o rap justamente por poder mesclar tudo que ela mais curte e transformar em algo único.

De ragga a MPB, de Brasília para o mundo.

4. Negra Li

Falar de Minas no Rap e não falar da Negra Li é até pecado, né?

Nascida e criada em São Paulo, Liliane de Carvalho, a talentosíssima Negra Li é ex-integrante de um dos maiores grupos do Rap Nacional, o RZO. Um das maiores cantoras não só do Rap, mas na música brasileira.

Déborah Diniz negra li

Com mais de 20 anos de carreira, a rapper conseguiu quebrar diversas barreiras e conquistou o seu espaço, levando a realidade da mulher negra que veio da periferia paulistana, que canta rap e diversos outros estilos musicais.

Na sua lista de parcerias, Negra Li já gravou com Dina Di, Nando Reis, Caetano Veloso, Charlie Brown Jr., Belo, Martinho da Vila, Gabriel o Pensador, Pitty, Skank, D’Black, Akon, NX Zero, Mano Brown, Sabotage, Marcelo D2 e muitos outros.

Ao transitar entre tanto estilos musicais em suas parcerias, a torna única.
Continue assim Negra Li que nós adoramos ❤

5. Drik Barbosa

Dona de uma voz encantadora e de rimas pesadas, a jovem MC provou que veio para ficar.

Déborah Diniz

Com apenas três músicas lançadas na sua carreira solo – “Deixa eu te levar”, “Não é mais você” e “Pra eternizar“ -, Drik tem uma lista de parcerias que é evidente que sem a sua presença, faltaria algo em cada uma das músicas, além de tudo ela arrebenta do freestyle, deixando muito marmanjo no chinelo, confere aqui.

Não foi por acaso que ela lançou essa rima em “Mandume” – música em que fez parceria com Emicida no álbum “Sobre crianças, quadris, pesadelos e lições de casa” – “(…)Xinguei, quem diz que mina não pode ser sensei? Jinguei, sim sei, desde a Santa Cruz, playboys deixei em choque, tipo Racionais, “Hey Boy!”(…)”.

Entre os MCs com quem já cantou estão Marcello GuGu, Rivais, Flow Mc, Mc Bitrinho, Amiri, Slim Rimografia e outros.

6. BrisaFlow

Sem papas na língua, a MC mineira, BrisaFlow ganha destaque por discutir em suas letras temas como igualdade de gêneros, reflexões sobre os clichês apresentados em torno de raças, classes sociais e também de gêneros.

Déborah Diniz

Além do seu vasto conhecimento musical e cultural, por meio de estudos em conservatórios, escolas de música e participações em diversos grupos e projetos, segundo o site Dia de Música.

Foi indicada pelo site Think Olga em 2014, na categoria “Música”, como Mulher Inspiradora ao lado de Flora Matos e Ana Tijoux (presentes no post <3), também participou da trilha sonora do curta “Clandestinas“, dirigido por Fádhia Salomão – documentário que conta histórias de mulheres que abortaram ilegalmente no Brasil – e foi a primeira entrevistada da série “MULHERES MCs”, apresentado pela TV Carta (Web TV da Revista Carta Capital).

Ano passado, Brisa lançou o single “As de Cem” – que teve direção do Diamantee – já citando no post também – que faz parte do seu tão aguardado álbum “NEWEN”.