Dois anos de “Bad Neighbor”, colaboração entre Madlib x Blu x MED

2 anos do lançamento de “Bad Neighbor”, a colaboração entre Madlib, Blu e MED.

Anúncios

30 de Outubro de 2015 era lançado o álbum “Bad Neighbor”, uma colaboração entre o produtor Madlib e os MCs MED – parceiro de longa data do produtor e também membro da gravadora Stones Throw, e Blu, outro grande MC com grande um clássico na rua, “Below The Heavens”, que esse ano completou 10 anos.

bad neighbor
Madlib, Blu e MED

O trio já havia lançado um trabalho anterior, “The Burgundy EP”, e chegou com uma proposta muito boa nesse disco: rimas sem muito compromisso ou temática específica e uma produção impecável do Beat Konducta. Gosto da forma como Madlib se reinventa a cada trabalho, fazendo o boom bap bater de formas cada vez mais inesperadas.

 

images (16).jpg

Para as participações, um time de peso: MFDOOM chega com o bom e velho flow brilhante em “Knock Knock” que soa como uma faixa de Funky músic dos anos 70. Anderson Paak compôs um refrão maravilhoso para a faixa “The Strip”, mesmo eu sendo apaixonado confesso nos versos e a entrega do Blu no som. Em “Burgundy Whip” temos Jimetta Rose com um vocal lindo no refrão e mais uma vez o Blu arregaçando nas rimas. O clipe dessa faixa é outra coisa que vale muito a pena dar uma conferida, parecendo um filme 70′ analógico.

Aloe Blacc (aquele mesmo da “Blue Avenue”, faixa do Jazz Liberatorz e de tantos outros trabalhos bacanas) participa de “Drive In”, que soa como uma música de amor e para amar. Clima esse que também aparece em “The Buzz”, com participação de Mayer Hawthorne. Além desses nomes de peso, temos Hodgy Beats na faixa “Serving”, com um instrumental fudido. Porém, para mim, a cereja do bolo é “Streets”. Nela temos DJ Romes e Oh No, DJ, produtor e irmão de Madlib. Esse instrumental já existia há alguns anos em alguma versão da Medicine Show, e foi adaptado para o disco. Aqui é só mais um exemplo do que Otis Jackson pode fazer com uma SP404 e alguns discos de jazz

Apesar de não ter passado pelos holofotes do mainstrem, “Bad Neighbor” teve avaliação 7.2 no Pitchfork, 81/100 no site Metacritic e uma nota 4/5 nos sites HipHopDX e AllMusic, assim como foi muito bem recebido por várias outras mídias especializadas em música. O grande atrativo dele são os instrumentais impecáveis, as rimas de dois dos grandes MCs da cena underground e o peso das participações, fazendo o “Mau vizinhos” ser lembrado com muito respeito e admiração, 2 anos depois teu lançamento.

Ouça “Bad Neighbor”.

As mil faces de MFDOOM

MFDOOM é um enigma de mil faces. Nascido Daniel Dumile, em Londres, no ano de 1971, o rapper começou a carreira no KMZ, como grafiteiro e MC, sob a alcunha “Zev Love X”.

Após um hiato, retorna ao mundo do RAP como MFDOOM – inspirado no Doutor Destino, do Quarteto Fantástico, onde começa – de fato, o seu reinado.

DOOM, mais do que um dos MCs mais talentosos e aclamados da cena underground, é uma entidade, com uma seita de fãs espalhados pelo mundo. O enigma sobre sua identidade criou uma atmosfera por trás do MC, aliado a suas metáforas e facilidade em conduzir suas rimas em cima de qualquer batida, que fazem jus as qualidades citadas.

É daqueles caras que não dão entrevistas, não se vê pelas ruas, fazendo disso tudo a sua identidade como rapper e marca registrada, como a lendária Mascara de metal. Antes do lançamento do Madvillainy, em 2004, e da força que o Madlib deu para o cara na cena – como o próprio DOOM explica nas entrelinhas no som “Raid” (“On one starry night, I saw the light, Heard a voice that sound like Barry White, said “Sho you right”), DOOM atingiu um maior reconhecimento, carregando consigo a bagagem do seu clássico de estréia “Operation Doomsday“, e toda sua genialidade com a caneta e o Mic.

Além de rapper, grafiteiro, entidade-de-seita-de-fãs e padre nas horas vagas, muitos álbuns e colaborações foram lançadas com sua assinatura. Cada uma das suas personalidades trás um pouco do que é Daniel Dumile.

O Rap Em Movimento trás, então, uma lista de todas as colaborações e alter-ego do Super Mothafocka Villain, que inspirou uma geração, como Tyler The Creator, Earl Sweatshirt, Capital STEEZ e mais uma porrada de MC foda da cena!

Madvillainy, 2004

Se Deus tivesse um disco pra tocar no dia da Gênesis, esse seria “Madvillainy”. a obra prima criada por DOOM e Madlib foi, por muitos anos, desconhecida do público do mainstream. Lançado em 2004, é um dos discos mais aclamados da histõria do RAP, e o disco que trouxe DOOM para a margem da cena. Desde as batidas (muitas delas criadas no Brasil, durante uma viagem do Madlib para a terra dos Racionais MC’s), até as letras ácidas do DOOM, é lindo demais. Já falamos sobre o disco aqui no blog, aliás.

Operation Doomsday, 1999

 

Em 1999 era lançado o álbum de estréia do rapper como MFDOOM. Afim de enfrentar a indústria e o jogo sujo do mundo da música, adotou o personagem de um vilão de quadrinhos e sua mascara, item que se tornaria inseparável na carreira. Após  morte de seu irmão e o fim do KMZ, DOOM se apresenta ao mundo, e dá início a “Operação Fim do Mundo”. Mulheres, cervejas, quadrinhos, e um tom mais leve em comparação aos demais trabalhos dão o tom ao disco.

PS: Assistam o clipe “Dead Bent”, por favor.
King Geedorah, 2003

Caralho, King Geedorah É FODA DE-MA-IS!

Bom, muita gente que ouve o DOOM não sabe desse alter-ego dele. Não que seja um privilégio, mas a capa do disco é totalmente foda do habitual, os samples, os sintetizadores, os instrumentais.

“King Geedorah, Take me to your leader!”.

Ouçam “Fazers”, o violino arranhado, o sample que parece uma música apocaliptica e sejam felizes demais.
MM Food, 2004

Se você nunca ouviu “Hoe cakes” e “One  beer” (ONE BEER!!), volte duas casas, que eu não vou me aprofundar. Como diria um MC mascarado que se preze: “Average MCs his like a TV Blooper. MFDOOM his like a D.B Cooper!”.

Deguste!

 
SADEVILLAIN, 2016

A voz suave de SADE, as rimas metafóricas de DOOM, samples de Jazz. Lançamento não oficial, que surgiu em 2016, sendo, então, o último trabalho do MC até agora. Vale conferir, para, como disse acima, ver o cara em ação em outro tipo de universo musical. Particularmente acho uma combinação foda, e uma chance de ouvir o DOOM enquanto se está curtindo um momento a dois, hehehe

DangerDOOM, 2005

MFDOOM e Danger Mouse, histórias em quadrinho, combinação foda. Não é dos meus favoritos do MC, mas sempre vale conferir por si mesmo o rato e a mascara em ação!

NeruhVillain, 2014

 

Bishop Nehru foi muito falado por um tempo, apadrinhado por alguns dos mais renomados MCs da velha escola. Mas ainda não tem se ouvido muito falar do moleque pela cena. Achei o EP de estreia muito bom, e confesso que essa colaboração com o DOOM ainda tocou pouco em meus fones. Fica a dica para ouvirem, e fica a cobrança para que eu escute com mais atenção. Prometo que volto aqui para fazer alguns comentários no post.

Viktor Vaughn, 2003

Um projeto conjunto entre Doom e Sound-Ink, o enredo do Vaudeville Villain segue a vida cotidiana do super-vilão / beat cientista / traficante de drogas / kid Vik Vaughn. Assim segue mais uma das mil faces do Metal Face.

 

 

Pra finalizar, a prova de que MFDOOM é um dos MCs mais amados do mundo: Mos Def fazendo cosplay de Metal Face, num clipe (muito engraçado, hahahahahaha) de “All Caps”.