Álbuns que você precisa ouvir: The Miseducation of Lauryn Hill

Primeiro álbum solo de Lauryn Hill o The Miseducation of Lauryn Hill (1998) precisa muito estar na sua playlist.  Além de ter uma série de singles de sucesso e é o marco do estilo neo soul.

The miseducation.jpg
Capa do álbum

Hill quebrou barreiras para artistas negras com esse trabalho. O disco estreou em primeiro lugar na Billboard nos Estados Unidos, vendeu mais 400 mil cópias na primeira semana, ultrapassando o recorde de Madonna, e desde então já vendeu mais de 17 milhões de unidades no mundo inteiro.

Além de abrir as portas da indústria para as mulheres, Lauryn, abriu para o hip hop. O álbum The Miseducation foi o primeiro disco de hip hop a vencer o Grammy de Álbum do Ano.

Em 1999, ela foi indicada para 10 Grammys e ganhou 5 deles, na época um recorde para uma mulher. Suas cinco estatuetas criaram uma audiência mais ampla para o hip-hop e ajudaram o gênero a conquistar o mainstream.

The Miseducation é conhecido, principalmente pelos vários singles como; o hino Doo Wop (That Thing), Everything is Everything, To Zion, e Ex-Factor (choremos nessa música). Em 1999, o álbum ganhou dez nomeações, isso mesmo 10 nomeações, para o 41º Grammy Awards, ganhando cinco, fazendo de Hill a primeira mulher a receber esse montante em uma única noite.

Antes mesmo de Adele e Beyoncé fazer aquela foto clássica ostentando Grammy’s a diva da Lauryn Hill abriu o caminho!

grammy lauryn.jpg
Diva, né mores ❤

O álbum também é o marco da incorporação de elementos musicais do hip hop com soul, música gospel e reggae. Esse trabalho ajudou posteriormente a definir o estilo neo-soul. O álbum está na lista dos 200 álbuns definitivos do Rock and Roll Hall of Fame.

Vida pessoal

O álbum foi gravado nos estúdios Tuff Gong de Bob Marley, em Kingston na Jamaica. Foi a época em que Hill estava envolvida com Rohan Marley, filho de Bob. A Mc estava grávida na época da criação desta obra prima.

O álbum reflete muito esse momento da vida pessoal da artista. Na época a cantora passava por tensões dentro do Fugees também. A música “The Zion”, foi uma homenagem ao seu filho, Zion, que estava na barriga na época da concepção do álbum e foi um desabafo de uma mulher que se encontrava no conflito de largar a carreira e cuidar do filho ou dar continuidade.

“Look at your career,” they said
“Lauryn baby use your head.”
But instead I chose to use my heart

 Além disso, Hill foi uma das pioneiras a colocar letras de consciência social em sua música e falar sobre sua vida. A música Doo Wop fala sobre objetividade sexual. E sobre a liberdade também. No último refrão ela fala;

“Girls you know you’d better, watch out
[Tradução]Garotas é melhor você ficarem ligadas
Some guys, some guys are only about (About!)
[Tradução]Alguns garotos só estão atrás daquilo
That thing, that thing, that thing!”

Guys you know you’d better, watch out
[Tradução]Garotos é melhor você ficarem ligadas
Some girls, some girls are only, about
[Tradução]Algumas garotas só estão atrás daquilo
That thing, that thing, that thing!

hill

E na música Ex Factor fala sobre o fracasso nos relacionamentos.

Nome e capa do álbum 

O nome do álbum já mostra o que podemos esperar do conteúdo. O The Miseducation, que traduzindo ao pé da letra quer dizer “A Educação errada de Lauryn Hill”. A capa é como se fosse uma carteira antiga de escola com o rosto dela talhado.

A introdução do álbum é uma chamada em sala de aula. Todos esses elementos dão o indício que a titia Lauryn vai te ensinar tudo ao contrário do que você aprendeu.

Infelizmente, seu primeiro lançamento em estúdio também seria o último. Ainda aguardamos a volta de Lauryn Hill ou até mesmo a do Fugeens né!

Ouça aqui o álbum completo:

Anúncios

Minas do Rap: 5 mulheres inspiradoras para o hip hop internacional

O Rap em Movimento traz um especial para mês da Mulher.Listamos 5 mulheres inspiradoras para a cena mundial do hip hop que você deveria conhecer um pouco mais sobre o trabalho delas.

 

  1. Ana Tijoux

Anita ou Ana Tijoux é conhecida por ser engajada nos movimentos sociais latino-americanos, dá voz à luta dos índios Mapuche em suas letras e também ao movimento estudantil do Chile, que tem ganhado cada vez mais força. Além disso, combate o machismo, a violência doméstica e canta pela liberdade dos povos do mundo, ressaltando sempre a coragem dos latino-americanos de não se curvarem ao imperialismo.

 

giphy

Já recebeu os prêmios de “Melhor Artista Revelação” e “Melhor Artista Urbana” no MTV Video Music Awards. Com seu disco 1977 venceu quatro categorias no Gremmy Latino, entre elas “Melhor álbum rock latino” em 2011. E com seu último lançamento, Vengo, em 2014 repetiu o sucesso ao receber o mesmo troféu.

 

  1. Missy Elliott

Dispensa apresentações né?

elliott

 

Melissa Arnette Elliott, mais conhecida como Missy Elliott é considerada a “primeira-dama da inovação do hip-hop”.

A cantora já compôs para artistas como: Aaliyah, Nelly Furtado e Ciara. Entre seus hits mais famosos estão as músicas The Rain (Supa Dupa Fly), “Hit ‘Em Wit Da Hee“, “Get Ur Freak On“, “One Minute Man“, “Work It” e “Lose Control“.

Influenciada pelo rei do pop, Michael Jackson, e com uma carreira que já dura 17 anos, Elliot tem um número significativo de 24 milhões de CDs vendidos e atualmente é a rapper feminina mais bem sucedida de todos os tempos.

Quem nunca teve vontade de imitar ela dançando?

elliott II

  1. Beyoncé

Who run the world ? \õ

 

bey

 

Beyoncé Giselle Knowles Carter nasceu em Huston, Texas, nos Estados Unidos, no dia 04 de setembro de 1981.

A Queen Bey é uma cantora, compositora, atriz, dançarina, coreógrafa, arranjadora vocal, produtora, diva master das manas ❤

Em 2003, ela lançou seu álbum de estreia em carreira solo, Dangerously in Love. O álbum teve um bom desempenho comercial e os singles “Crazy in Love” e “Baby Boy” alcançaram o primeiro lugar na Billboard Hot 100. No ano seguinte foi premiada com cinco Grammy Awards.

Desde então a carreira da Diva só decolou. Até 2010 Beyoncé possui cinco singles em primeiro lugar na Billboard Hot 100. Ao longo de sua carreira solo ela já vendeu 75 milhões de discos em todo o mundo isso fez dela um dos artistas de música que mais venderam discos de todos os tempos. Se juntar as vendas de discos de Beyoncé e do Destiny’s Child o resultado irá ultrapassar mais de 110 milhões de discos vendidos!

beyII

Os números da carreira de Beyoncé são apenas os resultados que ela vem colhendo de um trabalho impecável. Em seus álbuns sempre está presente a questão do empoderamento feminino e da mulher negra, como em seu novo single “Formation”.

Queen Bey não canta apenas sobre a mulher achar um príncipe encantado ela canta sobre as mulheres dominarem o mundo!!

 

  1. Erykah Badu

Erica Abi Wright nasceu do dia 26 de Fevereiro de 1971, no Texas, Estados Unidos.

A entrada de Erykah Badu no mercado fonográfico foi triunfal, a imagem da cantora com seus turbantes coloridos se espalharam pelo mundo. Ela foi capa de várias revistas, inclusive a Rolling Stone. Sua consagração aconteceu na entrega do Grammy em que ela levou, na categoria R&B, os prêmios de melhor álbum e melhor vocal feminino. A força das apresentações rendeu um disco ao vivo ainda em 1997, Live, com uma mistura de versões de Baduizm e covers em versões ao vivo.

erykah

Nessa época Erykah era constantemente comparada a Billie Holiday e Bessie Smith. A cantora foi uma das responsáveis pela reinvenção da música soul.

Entre seus singles de sucessos estão “You Got Me“, “Bag Lady”, “on & on” “Tyrone” e “Window Seat” (Tem mais gente é que é difícil escolher) ❤

 

  1. Lauryn Hill

Não tem como falar de Divas do hip hop internacional e não lembrar da maravilhosa Lauryn Hill.

hill

Lauryn Noel Hill nasceu em South Orange, New Jersey em maio de 1975. Com um vocal potente, Lauryn fez parte do grupo The Fugees nos anos 1990. Entre as canções mais famosas do grupo está a regravação Killing Me Softly de um sucesso na década de 1970 de Roberta Flack.

Em seu primeiro álbum solo,The Miseducation of Lauryn Hill (1998), a cantora quebrou barreiras para as artistas negras. O disco vendeu mais de 420 000 cópias na primeira semana, ultrapassando o recorde de Madonna, e desde então já vendeu mais de 17 milhões de unidades no mundo inteiro.

Além de abrir as portas da indústria para as mulheres, Hill, abriu para o hip hop. O álbum The Miseducation foi o primeiro disco de hip hop a vencer o Grammy de Álbum do Ano.

Em 1999, ela foi indicada para 10 Grammys e ganhou 5 deles, na época um recorde para uma mulher. Suas cinco estatuetas criaram uma audiência mais ampla para o hip-hop e ajudaram o gênero a conquistar o mainstream.

 

Bônus

Queen Latifah

Obvio que não podia faltar essa mulher maravilhosa. Para quem não sabe antes de ser atriz Queen Latifa começou sua carreira como rapper.

queen

Nascida Dana Elaine Owens em março de 1970 em Newak, New Jersey a cantora começou sua carreia na música no final dos anos 1980 fazendo beat box.

Queen Latifah deixou sua marca no hip-hop por ter sido uma das primeiras rappers a fazer músicas sobre os problemas que as mulheres negras enfrentavam nos EUA.

A artista também cantou jazz e soul. No ano de 207 ela lançou o álbum “Trav’lin light”, que teve participações de grandes nomes, como Jill Scott, Erykah Badu, Joe Sample, George Duke, Christian McBride e Stevie Wonder.

Queen Latifah é vencedora de um prêmio Grammy e de um Globo de Ouro. Também foi indicada ao Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante por Chicago.

Fala sério né gente… essa mulher é maravilhosa ❤

latifah

Álbuns que você precisa ouvir: The Score

O Rap em Movimento faz uma sessão especial de álbuns de rap  que você precisa ouvir antes de morrer

TheScore

Lançado mundialmente em 13 de Fevereiro de 1996 o The Score é o segundo e o último álbum de estúdio do trio Fugees. O álbum apresenta um hip hop alternativo com uma variedade de instrumentos e de samples. The Score foi produzido pelo próprio trio, Lauryn Hill, Wyclef Jean e Pras Michel, e com uma produção adicional de Salaam Remi, John Forté, Diamond D, e Shawn King.

Além dessa sonoridade diferente do que se tocava na época o The Score trouxe um discurso político e se tornou um dos álbuns de Hip Hop mais vendidos da história. O álbum foi número um nas paradas da Billboard 200, e Top R&B/Hip Hop Álbuns (foi o álbum número um na última na parada de fim de ano).

Em outubro de 1997, The Score foi certificado como disco de platina sêxtupla pela Recording Industry Association of America (RIAA). Em 1998, o álbum foi incluído na lista dos 100 melhores álbuns de rap da revista The Source, e em 2003, foi ranqueado o número 477 na lista dos 500 Melhores Álbuns de Todos os Tempos da revista Rolling Stone. Este álbum está na lista dos 200 álbuns definitivos no Rock and Roll Hall of Fame.

O single “Killing Me Softly” foi um cover de um clássico dos anos 70, que foi sucesso na voz de Roberta Flack. O cover na voz de Lauryn Hill rendeu ao grupo um Grammy de “Melhor Performance de RnB por Dupla ou Grupo Vocal”. A música mostrou ao mundo toda a potência da voz da Lauryn Hill.

Foto reprodução
Foto reprodução

Os singles “Fu-Gee-La,” e “Ready or Not” também alcançaram notável sucesso nas paradas, e ajudaram o grupo a atingir reconhecimento mundial.

O álbum sem dúvidas foi de grande importância para o hip hop. Falar de R&B e não lembrar Lauryn Hill é quase impossível. Quando você ouve The Score você viajar para outra década. Sem dúvidas é um dos meus favoritos e ouço todas as músicas sem cansar.

 

Ouça o single Ready or Not;