Os melhores love songs do rap nacional

Dia nos namorados chegando e os colunistas do Rap em Movimento vão entrar no clima e dar umas dicas de love songs, afinal Vida Loka também ama! Se você não tem ninguém não tem problema, curtir um sonzinho romântico nunca matou ninguém e você pode também usar para outras oportunidades.

Segura minha lista de músicas nacionais para embalar os corações:

1 – Deixa eu te levar – Drik Barbosa (part. Lira)

Esse dueto lindíssimo é para aquecer mesmo o core! Essa é para quem está na fase daquela conquista. Aquela fase que você fala para o embuste  crush que vê não vai zuar o coração dele e você vai ser uma pessoa legal.

“Me ensina a te amar da forma certa e deixa…(Deixa eu te levar)”

2 – Te levar – Terceira Safra

Essa é aquela música bem good vibes de amor. Para planejar aquela trip delícia.

“Eu vou fazer uma grana e te levar daqui…”

Você pode emendar esse trecho na próxima música…

3 – Sair pra gastar -Sorry Drummer, Rincon Sapiencia e Filiph Neo

Depois que o trampo virou um troco vocês podem sair para gastar (haam entendeu as referências?)

Esse som clássico do Sorry Drummer já embalou muitos casais.

“Dinheiro na mão não compra o amor, solidão dói, eu sei
Me dê sua mão no fim dessa dor seremos rainha e rei
Vamos sair pra gastar, sair pra gastar, sair pra gastar”

4 – No seu Radinho – Tassia Reis

Essa música é maravilhosa sem mais. Um R&B delicia de ouvir. Aperte o play e me diz você:

“Me deixa ser seu tchururu no seu beat”

5 – #TamoTransandoDeFato – Lívia Cruz e Djonga

Essa é para aquela pegada mais forte né! A música fala por si só

“Ele me joga no banco de trás, ele me faz Djavanear Racionais”

6 – Remember the Time – Rimas e Melodias

Uma releitura da música Remember the Time do Michael Jackons essa música é para dançar juntinho.

7 – Baiana – Emicida

Essa não poderia faltar nessa lista. Essa é para quando você tá sentindo o friozinho na barriga de início de tudo.

“Baiana cê me bagunço. Pirei em tua cor nagô, tua guia”


8 – Loius Lane – Mano Brown (Seu Jorge, William Magalhães)

Essa é para chegar dançando na pessoa amada (trago de volta). Brown chegou forte no funk com essa música hein.

“Por você eu paro trem. Pra mostrar disposição e não vejo mais ninguém”


9 – Envolvidão – Rael 

Eu não preciso falar nada sobre essa música né. Então da o play ai que essa música já tocou até em casamento.

“Malandro, era inevitável eu não me envolver
Ela é inacreditável, você tinha que ver”

10 – Comofaz – Flora Matos 

Para sair do clichê eu trouxe essa aqui da Florinha. Essa versão acústica é bem calminha e é aquela que você escuta juntinho com o “croshe”

 


Bônus

PIZZA – Sempre

Vim aqui para exaltar o meu atual e único love song possível

#pas

“ P I Z Z A faz meu mundo parar e as brisas se elevar”

 

E ai curtiu? Tem alguma sugestão de som? Manda pra gente!

Ouça o novo single de Drik Barbosa

A música, “Sem Clichê” fará parte do primeiro álbum do DJ Will e tem participações de Hanifah e co-produção do Dj Nyack. Em suas redes sociais a artista revela que a canção é simples e direta. “A Sem Clichê alerta que temos que dar atenção à paz de espírito e o equilíbrio para que possamos sobreviver e brilhar em meio ao caos dos dias atuais”.

Em entrevista para a RedBull Drik não revela o lançamento do seu álbum, mas avisa aos fãs que em breve eles irão poder contar com novidades.

13016671_991071487612969_352061983_o

Ouça o novo single da artista:

Minas do Rap: 6 mulheres inspiradoras do Rap Nacional

Para mostrar a pluralidade de estilos e a força feminina dentro do rap, selecionamos para você, no Dia Internacional da Mulher,  6 brasileiras que arrebentam nas rimas. Dá uma olhada:

1. Dina Di

Considerada uma das mulheres mais respeitadas do rap nacional, Viviane Lopes Matias, mais conhecida como Dina Di, faz jus ao título. Sempre armada com rimas intensas, cheias de emoção e realidade, a MC faz muito “rap” parecer música de ninar.

Déborah Diniz rap dina di
A MC começou sua carreira no ano de 1989, foi vocalista do grupo Visão de Rua que emplacaram os clássicos “Amor e ódio”, “Marcas da Adolescência”, “A Noiva de Thock”, “Última Chance” e muitos outros.

Indicada a diversos prêmios e festivais brasileiros, com destaque ao Prêmio Hutúz, onde foi escolhida na categoria Melhores Grupos ou Artistas Solo Feminino da década.

Em 2010, após dar a luz a sua segunda filha, a MC teve uma infecção hospitalar e faleceu.

Passando por cima da pobreza, da ausência da família e do machismo, Dina Di não só conquistou o seu espaço no rap, mas abriu os caminhos para todas as mulheres que querem seguir no movimento.
2. Tássia Reis

Direito de Jacareí, São Paulo para o mundo, Tássia Reis!

Com discurso e estilo empoderado, a rapper traz nos seus sons grandes influências musicais como Jazz, R&B, MPB.

Em 2014 lançou o seu primeiro EP – que leva o seu nome –, apresentando os com os hits “No Seu Radinho”, “Meu Rapjazz” e a deliciosa “Good Trip”. Além das participações de e Tiago MAC, nas produções os Djs Skeeter, Poska, Kibão Beats e outros, a direção geral do EP ficou por conta do Diamantee. Pesadíssimo, né?

Déborah Diniz
3. Flora Matos

Aos 18 anos chegou a São Paulo disposta a viver de música e hoje aos 27 anos é considerada uns dos grandes nomes do rap nacional da atualidade.

flora matos canta pra chamar

A rapper brasiliense, Flora Matos emplacou grandes hits ao longo da sua carreira, como “Pretin”, “Esperar o Sol”, “Comofaz” e o mais novo single, lançado em 2015, “Canta pra Chamar” , som que vai compor o seu novo álbum que provavelmente será lançado ainda esse ano.

Pelas palavras de Mano Brown para o site Exame, Flora é uma das únicas que consegue misturar diversos gêneros musicais de forma natural, sem forçar a barra. A própria já comentou em algumas entrevistas que se identificou com o rap justamente por poder mesclar tudo que ela mais curte e transformar em algo único.

De ragga a MPB, de Brasília para o mundo.

4. Negra Li

Falar de Minas no Rap e não falar da Negra Li é até pecado, né?

Nascida e criada em São Paulo, Liliane de Carvalho, a talentosíssima Negra Li é ex-integrante de um dos maiores grupos do Rap Nacional, o RZO. Um das maiores cantoras não só do Rap, mas na música brasileira.

Déborah Diniz negra li

Com mais de 20 anos de carreira, a rapper conseguiu quebrar diversas barreiras e conquistou o seu espaço, levando a realidade da mulher negra que veio da periferia paulistana, que canta rap e diversos outros estilos musicais.

Na sua lista de parcerias, Negra Li já gravou com Dina Di, Nando Reis, Caetano Veloso, Charlie Brown Jr., Belo, Martinho da Vila, Gabriel o Pensador, Pitty, Skank, D’Black, Akon, NX Zero, Mano Brown, Sabotage, Marcelo D2 e muitos outros.

Ao transitar entre tanto estilos musicais em suas parcerias, a torna única.
Continue assim Negra Li que nós adoramos ❤

5. Drik Barbosa

Dona de uma voz encantadora e de rimas pesadas, a jovem MC provou que veio para ficar.

Déborah Diniz

Com apenas três músicas lançadas na sua carreira solo – “Deixa eu te levar”, “Não é mais você” e “Pra eternizar“ -, Drik tem uma lista de parcerias que é evidente que sem a sua presença, faltaria algo em cada uma das músicas, além de tudo ela arrebenta do freestyle, deixando muito marmanjo no chinelo, confere aqui.

Não foi por acaso que ela lançou essa rima em “Mandume” – música em que fez parceria com Emicida no álbum “Sobre crianças, quadris, pesadelos e lições de casa” – “(…)Xinguei, quem diz que mina não pode ser sensei? Jinguei, sim sei, desde a Santa Cruz, playboys deixei em choque, tipo Racionais, “Hey Boy!”(…)”.

Entre os MCs com quem já cantou estão Marcello GuGu, Rivais, Flow Mc, Mc Bitrinho, Amiri, Slim Rimografia e outros.

6. BrisaFlow

Sem papas na língua, a MC mineira, BrisaFlow ganha destaque por discutir em suas letras temas como igualdade de gêneros, reflexões sobre os clichês apresentados em torno de raças, classes sociais e também de gêneros.

Déborah Diniz

Além do seu vasto conhecimento musical e cultural, por meio de estudos em conservatórios, escolas de música e participações em diversos grupos e projetos, segundo o site Dia de Música.

Foi indicada pelo site Think Olga em 2014, na categoria “Música”, como Mulher Inspiradora ao lado de Flora Matos e Ana Tijoux (presentes no post <3), também participou da trilha sonora do curta “Clandestinas“, dirigido por Fádhia Salomão – documentário que conta histórias de mulheres que abortaram ilegalmente no Brasil – e foi a primeira entrevistada da série “MULHERES MCs”, apresentado pela TV Carta (Web TV da Revista Carta Capital).

Ano passado, Brisa lançou o single “As de Cem” – que teve direção do Diamantee – já citando no post também – que faz parte do seu tão aguardado álbum “NEWEN”.

 

Álbuns que você precisa ouvir: Até Que Enfim Gugu

A única coisa que se pode esperar desta mixtape é se surpreender. Gostar de Rap e ouvir Até Que Enfim Gugu pela primeira vez é como repensar sobre o que é qualidade lírica.

Já na primeira faixa ele mostra que não é só mais um dos “faladores contando histórias”, até porque Gil Scott Heron é como uma aula de Hip Hop, onde em homenagem ao poeta ele manifesta todo o seu amor à cultura, mostrando para aqueles que chegaram agora o que ela é, e acaba sendo – mesmo que sem querer – um aviso para aqueles que dizem que “Rap tem que ser feito desse, ou daquele jeito”.

Um ponto surpreendente no disco é a habilidade de Marcello em contar histórias, com citações cabíveis e personagens bem montados, seja narrando uma overdose falando sobre os últimos 15 minutos de vida do Jimi Hendrix na faixa Jimi, ou uma história de amor ao estilo Transcontinental FM em Deixa o Tempo Dizer, é muito fácil se ver preso dentro das histórias e se identificar em diversos pontos de cada uma delas.

Outra coisa feita com muita maestria no disco são as metáforas, se ouvir Kariri sem saber o nome da música você com certeza não vai imaginar que ele homenageia uma bebida, talvez ache que Evita e Miss Hollywood sejam lovesongs e pense o mesmo só lendo o nome da canção número 10.

Lançar um disco com mais de uma skit de mais ou menos 7 minutos não é pra qualquer um, só pra quem tem talento lírico de sobra. Se duvidar, arrisque ouvir Indireta sem querer pedir alguém em casamento logo em seguida, ou não respeitar ainda mais o Nordeste e nordestinos depois de escutar Herói.

O disco conta com diversas participações, que dão mais peso na qualidade: Drik Barbosa, Filiph Neo, Diego Primo, Lenda ZN, Garcez DL, Leitty Mc, Sergio Ribeiro e Flow Mc, Origame e Reticências nas faixas Bônus.

Enfim, um disco bem feito, que vale a pena ser ouvido várias vezes e você não terá surpresas só na primeira escuta.

 

Link do álbum: https://www.youtube.com/watch?v=ZETuZJgzsMI