As religiōes de matriz africana no Hip-Hop

Laroiye, Esù Onà!

O Candomblé surgiu em meados do século XVI, a partir da junção de elementos de várias religiões existentes no continente Africano.

Os povos do Império Yorubá (África Ocidental), Angola-Bantu (África Sunsariana ) e Jejé (África Ocidental) cultuavam deuses conhecidos como Orixás, Nkisis e Voduns. Da junção destas crenças, nasceu o candomblé brasileiro, como conhecemos. Essa junção ocorreu no Brasil, devido a necessidade dos negros de manterem suas tradições religiosas na terra onde foram escravizados.

Assim como no Brasil, muitos países dá América Latina foram destinos de escravos Africanos. Devido a isso, encontramos em Cuba a Santeria e no Haiti o Voodu Haitiano, outras formas de cultos africanos, além de outros países como EUA, etc.

Um dos símbolos mais conhecidos dessas religiões são os atabaques, ou tambores, dependendo dá localidade de origem. Os atabaques são instrumentos de uso ritualístico/religioso, utilizados para invocar as divindades.

Com o passar dos anos, os negros estabelecidos no Brasil passaram a usar esses instrumentos para criar estilos musicais distintos nas terras onde eram tocados. Podemos observar seu uso no carnaval, nos afoxés, na MPB, samba, entre vários outros estilos. E no Hip-Hop não poderia ser diferente. Com o advento das MPCs, mixers e samplers, muitos produtores se voltaram para a musicalidade africana para desenvolver suas batidas. E, além deles, MCs adeptos ou apenas admiradores das religiões vem retratando em suas rimas suas crenças nas religiões africanas, como forma de resgate de suas origens na Terra Mãe e reafirmando, com orgulho, seu sangue negro.

 

Emicida

A primeira vez que ouvi “Pra não ter tempo ruim”, da sua primeira mixtape “Pra quem já morreu um cachorro por comida, até que eu cheguei longe”, fiquei em choque com a lírica do Emicida, que na época voava. Num dos trechos do som, o MC versa “ceis vão lembrar que o punho cerrado é mais que o logo da Slum/Negro nagô, trago nos olhos Xangô e Ogum”. No mesmo disco, na faixa “Só isso” temos oa versos “A cota é andar com fé, que não costuma falhar/ Determinação e coragem, a força Ogun é que dá” e  “Com os Eparrey Iansã, que a Claras entoava na antiga”. Ogun, na mitologia Iorubá, é o Orixá da guerra, dos metais, das lutas, irmão de Oxóssi é um dos mais cultuados Orixás na África e Brasil.

Xangô é o grande Obà de Oyo, uma das cidades do Império Iorubá. Proc da justiça, dono do fogo, um guerreiro feroz, companheiro de Iansã, Orixá das tempestades, sensual, uma das guerreiras mais destemidas da mitologia, que as transforma num búfalo quando esta em apuros, sendo também, a mãe dos 9 céus, que guia os Eguns.

Além dessas rimas existe uma forte presença de termos religiosos e diversos do idioma africano em seu trabalho. Também é corriqueiro ver fotos do MC sempre com sua guia de Xangô no pescoço, ou com as vestimentas de santo.

 

Criolo

Criolo é um cara que valoriza a cultura nacional em todas as suas nuances. E sempre incluindo em seu repertório a musicalidade negra.

A faixa mais conhecida do MC, que chegou ao maimstream com uma mensagem de respeito e louvação aos Orixás africanos foi “Mario”. No refrão “Ogum adjo, ê mariô (Okunlakaiê)”, Criolo faz referência a uma linda cantiga da Nação Ketu ao Orixá Ogun, que diz “Ogun a jo e Mariwo (Ogun se manifeste com o seu mariwo), Akóró a jo e Mariwo (Akóró, se manifeste com o seu mariwo), Ogunpà lè pà lona (Ogun mata, tem poder de matar no caminho)
Oguna jo e Mariwo, E ma tù Ye ye (Vós sempre anima a nossa vida) (animar = reviver).

O Mario é a folha extraída do denzezeiro, item, indispensável no culto a esse Orixá, que usa a folha como forma de proteção a seus filhos e a  si mesmo.

Outra faixa conhecida é a que ilustra essa matéria, “Fio de Prumo” que é uma grande homenagem ao Orixá Exú, ja citado nessa matéria.

 

Orishas

Orishas é um exemplo engraçado. Escuto os caras desde meados de 2009, mas nessa época eu não era adepto das religiões de matriz africana. Jamais tinha reparado no nome é nas letras. Anos depois tudo fez sentido, hehehe.

O nome deriva da expressão “Orisà”, que significa “Força a cabeça”, e nada mais é do que o nome das divindades/semi-deuses cultuados no Reino Iorubá, Nigéria. O grupo cubano tem uma musicalidade incrível, com elementos da cultura latina entrelaçados com os elementos do Hip-Hip nascido nos EUA. Também usam como uma forma de professar a sua fé, como nas músicas “Shango” e “Canto para Elegua”. Shango é Xangô, como explicado nas linhas do Emicida. Já Elegua é mais complexo.

Mais conhecido por Esù (ou Exu, para os mais medrosos), este Orixá tem muitos nomes pelo qual é conhecido e reverenciado. Nos países da América central foi adotado o nome Elegua, que significa “O príncipe mensageiro”, é um dos – senão o mais importante Orixá do panteão, mensageiro e responsável por transportar o Asè.

 

Oshun

O duo de Nova Iorque vem pra mostrar que o Asè também corre na terra do racista laranja.
As minas, mais do que nas rimas, e nas batidas de jazz, adotaram a cultura das religiões africanas em suas vestimentas, adereços, clipes, fazendo do trabalho uma vivência na África.

O nome deriva de “Osùn”, sendo escrito dessa forma por causa da Santeria Cubana, que se fincou nos EUA devido também a imigração de cubanos para o país. A presença massiva da cor dourada, águas doces, maquiagens e forte apelo a beleza trazem toda a influência do Orixá na estética da dupla. Osùn é o Orixá das águas doces, da fecundidade, gestação, do amor, das relações, a mais bela Iyabà de Olodumarè.

Sua cor é o dourado, gosta de jóias, de de embelezar e encantar os homens da Terra. Assistam aos clipes das meninas que vocês vão se ligar na forte influência.

 

Ibeji

Ibeji é uma dupla de gêmeas cubanas, que fazem um som bem parecido com Oshun. O nome vem do Orixá de nome Ibeji, que, assim como as garotas, são gêmeos, segundo a Mitologia Ioruba.

Ibeji é o Orixá-Criança, em realidade, duas divindades gémeas infantis, ligadas a todos os orixás e seres humanos.

Por serem gémeos, são associados ao princípio da dualidade; por serem crianças, são ligados a tudo que se inicia e nasce: a nascente de um rio, o nascimento dos seres humanos, o germinar das plantas.

 

3030

O 3030 é um grupo de rap que utiliza elementos de música brasileira, visto como um dos nomes mais promissores da nova geração. A mistura Rap/Mpb se deu depois que os Mcs Lk e Rod se juntaram ao cantor Bruno Chelles, na intenção de inovar no cenário musical nacional, o que acabou culmimando na fundação do 3030, mais tarde fortalecido pela entrada do DJ Rafik, veterano produtor e DJ carioca.

Em uma de suas passagens, gravaram o som Ogum, saudando o Grande Orixã das lutas.

 

Opanijé

Criado em 2005, o grupo Opanijé (Organização Popular Africana Negros Invertendo o Jogo Excludente) é Formado pelo trio Lázaro Erê, Rone Dum-Dum e Dj Chiba D , diretamente de Salvador, Bahia.
Ao contrario do que o nome do grupo diz, Opanijé é uma palavra Iorubá que designa um toque sagrado, entoado para o Orixá Obaluaye, Omolu e Sakpata geralmente tocado para a divisão de um conjunto de comida ritual chamada Olubajé, quando todos em silencio recebem sua porção, e os crentes aproveitam este momento para pedir saúde e longevidade. O orixa dança numa representação simbólica, mostrando sua ligação com os mortos Iku e o seu domínio sobre a terra.

Atotô!

Essas são só alguns exemplos da ligação entre as religiões de Matriz Africana e o Hip-Hop. Mais do que mostrar nossas devoção ou louvar nossas crenças, é lindo podem usar de nossas raízes religiosas oriundas da Terra-Mãe e cultuadas a milhares de anos, para construir uma musicalidade original e homenagear nossos antepassados, tão marginalizados e expostos aos diversos tipos de maus tratos que o branco nos causa a anos. Obrigado a todos os que mantém nossa cultura viva, obrigado,

Asè pra quem é de Asè!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Rap em Movimento marcando presença na 2ª edição da Festa Punga.

No último domingo, 18, o Rap Em Movimento marcou presença na 2ª edição da Festa Punga, realizada no Estúdio Lâmina, no centro de São Paulo.

Nessa edição, o foco foi na discotecagem, com a presença dos DJ’s Mista Brown (Rashid), Marcel (Mob79), Vins (Blkkk), Família JBC (Jean, César e Barata), Beans ( Helibrown/Outroplanet) e Minizu ( Augusto Oliveira/SNTL Sounds).

 

Segundo Guilherme, nosso colunista do blog que que esteve presente no evento, “2016 foi um ano complicado em alguns aspectos. Ver pessoas que vivem a cultura Hip-Hop arrumando treta desnecessária foi ruim de aturar. Mas ir pro centro de SP, em um domingo a tarde e participar de uma festa igual a Punga foi foda, ver que ainda tem gente que cola em rolê pelo som que vai ouvir foi muito bom, SP precisa de mais festas como a Punga, onde o público bate palma ouvindo These Walls”.

Confiram abaixo algumas fotos do rolê!

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

 

Made in Brazil

A música brasileira é rica, isso é incontestável. Vários gêneros se fazem presente em nossa história, mas um deles se tornou especial: A MPB.

O termo surgiu na década de 60, associado à interpretação feita por Elis Regina da canção Arrastão, de Vinicius de Moraes e Edu Lobo.Muitos elementos são associados a MPB, em especial o Soul, Funk e Bossa-Nova.

O RAP surgiu no Brasil na década de 80, onde a maior referência no país eram os grupos surgidos em Nova Iorque, e em outras cidades americanas, um dos berços do ritmo. Na época, com a novidade em nosso país, claro, as referências que tinhamos de produção de letras e batidas eram todas dos EUA.

Com o tempo, nosso RAP foi tomando maturidade, criando seu próprio estilo, e bebendo da nossa MPB para criação de batida, utilizando samples de músicas nacionais. Destaque para Racionais MCs e alguns outros grupos da época que passaram a utilizar essa nova sonoridade em suas músicas, dando uma cara brasileira para nosso RAP.

Porém, nos anos 2000 cresceu um movimento contrário, onde produtores renomados da escola americana, principalmente do underground, se viraram para nossa qualidade sonora, com destaque para a MPB dos anos 70, e demais décadas.

Artistas como Madlib, J Dilla, MFDoom, J Cole, Joey Bada$$, Knxwledge, entre muitos outros que, ao longo desses últimos 20 anos vem valorizando o que há de melhor em nossa MPB.

Abaixo vocês podem conferir um compilado de algumas músicas que utilizam samples, recortes e fazem referência e homenagem a nossa música:

 

J. Cole – God’s Gift / Milton Nascimento – Francisco

 

Madvillain – Rhinestone Cowboy / Maria Bethânia – Mariana, Mariana

 

Knxwledge – Theyfeelit / Claudia – Deixa eu dizer

 

Joey Bada$$ – Alowha [Prod. By Kirk Knight] / Marcos Valle – Previsão Do Tempo

 

Madvillain – Raid / Osmar Milito e Quarteto Forma – América Latina

 

Nujabes – The Space Between Two World / Toninho Horta – Waiting For Angela

 

The Pharcyde – Runnin [Prod. J Dilla] / Stan Getz – Saudade Vem Correndo

 

A.G. – Yeah Nigga / Trio Mocotó – Não Adianta

 

Madvillain – Supervillain Theme / O Terço – Adormeceu

 

Huss und hodn – Reichwerfen / Chico Buarque – Ligia

 

J Dilla – Brazilian Groove / Ponta De Areia – Earth, Wind, & Fir

 

MF Doom – Absolutely / Ponta De Areia – Earth, Wind, & Fire

 

Madlib Medicine Show No. 2 – Flight to Brazil / Brazil by Music – Brazil by Cruzeiro (1972) /  Eduardo Araujo & Silvinha ‎- Opanige (Este trabalho, em especial, é uma coletânea de músicas brasileiras. Vale a pena procurar todos eles.https://www.youtube.com/watch?v=T5vQ1G1bPdc

 

Madlib – Speto de Rua / Este foi um trabalho gravado em uma viagem do produtor, em 2002, pelo Nordeste Brasileiro. Não está disponível no youtube, mas no link abaixo tem mais informações sobre o trabalho, bem como ele pode ser adquirido.

https://www.discogs.com/Madlib-Speto-Da-Rua-Dirty-Brasilian-Crates-Volume-1/release/1543475

 

Enfim, são muitos os músicas gringos que na música brasileira encontram inspiração para suas criações. Esses foram alguns exemplos e amostras, porém, o catálogo é enorme.

Espero que curtam, e vamos valorizar nossa música, que tem uma riqueza e importância enorme.

Straight Outta Compton já possui data de estreia no Brasil

Os fãs brasileiros da N.W.A já podem comemorar!

 

Após inúmeros pedidos dos fãs, campanhas com criação de páginas e pedidos nos Instagram do Ice Cube e do Dr. Dre (fui dessas), finalmente atenderam nossos pedidos.

A cinebiografia, ‘Straight Outta Compton’, já possui data de estreia no Brasil : 29 de outubro. A Universal Pictures anunciou essa semana a data de estreia do filme.

A cinebiografia surpreendeu a todos a arrecadar US$ 56,1 milhões em seu fim de semana de estreia, chegando a superar o filme Missão Impossível em público. O filme já bateu o recorde de maior abertura para uma cinebiografia na história de Hollywood, que antes pertencia a ‘8 Mile – Rua das Ilusões’ (US$ 51,2 milhões)

 

Cartaz

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Anote na sua agenda essa data!

O Rap Em Movimento fez um especial com duas matérias sobre o filme e sobre a história do grupo. Confira e fique por dentro dessa superprodução!

Cinebiografia da N.W.A, Straight Outta Compton (Sobre o Filme)

História da N.W.A