Love songs Internacionais

Quem não gosta de uma baladinha ‘black’ para dançar juntinho. O Rap em Movimento fez uma seleção pesadíssima de love songs, procuramos sair do clichê e trazer umas novidades. Segura que é para machucar o coração.

 1 – Ain’t Nobody – Faith Evans

Quer falar de amor? Se liga na tia Faith Evans. Um R&B direto dos anos 1990 para você se apaixonar de vez. Essa música faz parte do álbum Faith de 1995, época em que ela estava in love com o BIG. Confere ai:

2 – Special Affair – The Internet

Só de ouvir a introdução já arrepia tudo. Uma das minhas favoritas do The Internet (um grupo que vale a pena ouvir)

3 – Get You – Daniel Caesar ft Kali Uchis

Essa é para mexer forte na emoção hein. Declaração de amor. Daniel Caesar é um canadense de apenas 22 anos que tem esse vozeirão da porra que está chegando forte na cena do R&B. Enjoy

4 – Just Friends (Sunny) – Musiq

Vocês acharam mesmo que não teria Musiq Soulchild nessa lista? Essa música é para a fase da conquista, quando começa aquela amizade colorida.

5 – Body – Syd

Essa é para dar aquela sarrada. Olha como a Syd vem nesse som… ❤

6 – Let me Love you – Mario

Tinha que exaltar esse hino!! Essa é aquela música de quando toca todo mundo sabe a letra

7 – 21 Questions – 50 Cent ft Nate Dogg

Que música amigos. Que música! Quem disse que 50 cent não sabe fazer love song?

8 – Love on top- Beyonce

Amém Beyonce!

9 – My boo – Usher ft. Alicia Keys

Essa é aquela música de quem está claramente em cima do muro ou de quem viu que perdeu o crush e torce para voltar. Este com certeza tem aquele selo: Que Hino!

10 – Love Never Felt So Good – Michael Jackson, Justin Timberlake

Essa música lindíssima do Justin Timberlake com o Michael Jackson faz parte de um trabalho póstumo de Michael. Se podemos eleger aquela música que só de escutar da vontade de se apaixonar, com certeza é essa.

 

E se você não tem ninguém ou ta na sofrência não se preocupe. Vamos fazer aquela playlist para você ir dormir chorando (zueira). Aquela playlist para você não precisar ouvir sertanejo e chorar ao som de uns bons beats.

Banned In SP estréia no circuito underground com o pé direito, muito RAP, Punk, Reggae e cabeças sangrando.

Ontem, dia 10/06/2017 rolou a primeira edição da festa Banned In SP, no Zapata, região central de São Paulo. A festa foi organizada pelo coletivo Carranca Records, do qual faço parte como fotógrafo, cachaceiro e piadista de primeira.

O intuito da festa foi a celebração da contra-cultura e cultura de rua, levando para o palco o Reggae, RAP e Punk, tudo junto contra o fascismo e celebrando o amor, a rua e uma sociedade livre do preconceito.

No palco tivemos HFF, ATTICA!, Shazam, Sistah Chilli, DASH, Fear Of The Future e discotecagem do mano GuzBeats que mandou pra caralho na seleção.

Tivemos também nossa amada Larissa, que caiu no bate-cabeça. saiu com a cabeça sangrando, foi lá fora, colocou m gelinho e VOLTOU PRA RODA DAQUELE JEITO!

 

Confira abaixo as fotos de mais uma cobertura maravilhosa do Rap Em Movimento, nos sigam no facebook e instagram.

PAZ entre nós e pau no cú dos fascistas!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Os melhores love songs do rap nacional

Dia nos namorados chegando e os colunistas do Rap em Movimento vão entrar no clima e dar umas dicas de love songs, afinal Vida Loka também ama! Se você não tem ninguém não tem problema, curtir um sonzinho romântico nunca matou ninguém e você pode também usar para outras oportunidades.

Segura minha lista de músicas nacionais para embalar os corações:

1 – Deixa eu te levar – Drik Barbosa (part. Lira)

Esse dueto lindíssimo é para aquecer mesmo o core! Essa é para quem está na fase daquela conquista. Aquela fase que você fala para o embuste  crush que vê não vai zuar o coração dele e você vai ser uma pessoa legal.

“Me ensina a te amar da forma certa e deixa…(Deixa eu te levar)”

2 – Te levar – Terceira Safra

Essa é aquela música bem good vibes de amor. Para planejar aquela trip delícia.

“Eu vou fazer uma grana e te levar daqui…”

Você pode emendar esse trecho na próxima música…

3 – Sair pra gastar -Sorry Drummer, Rincon Sapiencia e Filiph Neo

Depois que o trampo virou um troco vocês podem sair para gastar (haam entendeu as referências?)

Esse som clássico do Sorry Drummer já embalou muitos casais.

“Dinheiro na mão não compra o amor, solidão dói, eu sei
Me dê sua mão no fim dessa dor seremos rainha e rei
Vamos sair pra gastar, sair pra gastar, sair pra gastar”

4 – No seu Radinho – Tassia Reis

Essa música é maravilhosa sem mais. Um R&B delicia de ouvir. Aperte o play e me diz você:

“Me deixa ser seu tchururu no seu beat”

5 – #TamoTransandoDeFato – Lívia Cruz e Djonga

Essa é para aquela pegada mais forte né! A música fala por si só

“Ele me joga no banco de trás, ele me faz Djavanear Racionais”

6 – Remember the Time – Rimas e Melodias

Uma releitura da música Remember the Time do Michael Jackons essa música é para dançar juntinho.

7 – Baiana – Emicida

Essa não poderia faltar nessa lista. Essa é para quando você tá sentindo o friozinho na barriga de início de tudo.

“Baiana cê me bagunço. Pirei em tua cor nagô, tua guia”


8 – Loius Lane – Mano Brown (Seu Jorge, William Magalhães)

Essa é para chegar dançando na pessoa amada (trago de volta). Brown chegou forte no funk com essa música hein.

“Por você eu paro trem. Pra mostrar disposição e não vejo mais ninguém”


9 – Envolvidão – Rael 

Eu não preciso falar nada sobre essa música né. Então da o play ai que essa música já tocou até em casamento.

“Malandro, era inevitável eu não me envolver
Ela é inacreditável, você tinha que ver”

10 – Comofaz – Flora Matos 

Para sair do clichê eu trouxe essa aqui da Florinha. Essa versão acústica é bem calminha e é aquela que você escuta juntinho com o “croshe”

 


Bônus

PIZZA – Sempre

Vim aqui para exaltar o meu atual e único love song possível

#pas

“ P I Z Z A faz meu mundo parar e as brisas se elevar”

 

E ai curtiu? Tem alguma sugestão de som? Manda pra gente!

É PENTA! Festa PUNGA chega a sua quinta edição – e foi foda!

Domingo, 28 de Maio rolou a quinta edição da FESTA PUNGA – sendo também a quinta edição que o Rap Em Movimento chega fazendo barulho.
Já era a segunda vez em menos de 24 horas que eu estava na Casa da Luz (sábado rolou a festa Detonna, que recomendo pra quem curte um RAP, com show do HFF, grupo do meu mano Card). Dessa vez, o enredo era outro: Festa underground, com grupos que estão emergindo na cena, a proposta que a festa prega desde sua primeira edição. Mas tínhamos uma surpresa: DJ KL JAY (leia com a voz do Edi Rock na introdução do “Rotação 33”), dando aula de RAP, humildade, estilo e amor ao movimento. Aos 47 anos, como ele mesmo disse, depois de receber uma chuva de aplausos, tocando para a juventude, cada dia mais em forma, indo do Funky, passando pelos anos 70, boombap Golden era, chegando no TRAP (e vocês aí brigando por TRAP x “RAP de verdade”).
Quem abriu foi, com louvor, meu time Carranca Records. Não pude, dessa vez, dar o ar do meu talento como MC (pausa para rir), mas na próxima tô lá com meus irmãos bagunçando mais do que devo. Salve NGMA!
Tivemos apresentações também do mano L-B.M.C.K.M, Helibrown, Fleezus (Recayd Mob), Alt Niss e os meninos prodígio do Mob79. DJ Minizu tava na casa, comemorando aniversário (Salve,  O DJ!), meu irmão Beans tava na casa também. Infelizmente não pude ver o set dos moleques, que sempre vem tijolada, mas o importante disso tudo foi ver o movimento acontecer mais uma vez, com união, espaço e muito talento de todos os envolvidos.
Agradecimento especial aos irmãos do Zebra Filmes que fortaleceram no flash, e tavam lá fazendo um lindo trabalho de registro da festa.
Pra saber mais como foi o rolê, viajem nas fotos em nossa página no Facebook, e aqui embaixo, onde fizemos uma seleção do melhor que aconteceu.
Paz!

As mil faces de MFDOOM

MFDOOM é um enigma de mil faces. Nascido Daniel Dumile, em Londres, no ano de 1971, o rapper começou a carreira no KMZ, como grafiteiro e MC, sob a alcunha “Zev Love X”.

Após um hiato, retorna ao mundo do RAP como MFDOOM – inspirado no Doutor Destino, do Quarteto Fantástico, onde começa – de fato, o seu reinado.

DOOM, mais do que um dos MCs mais talentosos e aclamados da cena underground, é uma entidade, com uma seita de fãs espalhados pelo mundo. O enigma sobre sua identidade criou uma atmosfera por trás do MC, aliado a suas metáforas e facilidade em conduzir suas rimas em cima de qualquer batida, que fazem jus as qualidades citadas.

É daqueles caras que não dão entrevistas, não se vê pelas ruas, fazendo disso tudo a sua identidade como rapper e marca registrada, como a lendária Mascara de metal. Antes do lançamento do Madvillainy, em 2004, e da força que o Madlib deu para o cara na cena – como o próprio DOOM explica nas entrelinhas no som “Raid” (“On one starry night, I saw the light, Heard a voice that sound like Barry White, said “Sho you right”), DOOM atingiu um maior reconhecimento, carregando consigo a bagagem do seu clássico de estréia “Operation Doomsday“, e toda sua genialidade com a caneta e o Mic.

Além de rapper, grafiteiro, entidade-de-seita-de-fãs e padre nas horas vagas, muitos álbuns e colaborações foram lançadas com sua assinatura. Cada uma das suas personalidades trás um pouco do que é Daniel Dumile.

O Rap Em Movimento trás, então, uma lista de todas as colaborações e alter-ego do Super Mothafocka Villain, que inspirou uma geração, como Tyler The Creator, Earl Sweatshirt, Capital STEEZ e mais uma porrada de MC foda da cena!

Madvillainy, 2004

Se Deus tivesse um disco pra tocar no dia da Gênesis, esse seria “Madvillainy”. a obra prima criada por DOOM e Madlib foi, por muitos anos, desconhecida do público do mainstream. Lançado em 2004, é um dos discos mais aclamados da histõria do RAP, e o disco que trouxe DOOM para a margem da cena. Desde as batidas (muitas delas criadas no Brasil, durante uma viagem do Madlib para a terra dos Racionais MC’s), até as letras ácidas do DOOM, é lindo demais. Já falamos sobre o disco aqui no blog, aliás.

Operation Doomsday, 1999

 

Em 1999 era lançado o álbum de estréia do rapper como MFDOOM. Afim de enfrentar a indústria e o jogo sujo do mundo da música, adotou o personagem de um vilão de quadrinhos e sua mascara, item que se tornaria inseparável na carreira. Após  morte de seu irmão e o fim do KMZ, DOOM se apresenta ao mundo, e dá início a “Operação Fim do Mundo”. Mulheres, cervejas, quadrinhos, e um tom mais leve em comparação aos demais trabalhos dão o tom ao disco.

PS: Assistam o clipe “Dead Bent”, por favor.
King Geedorah, 2003

Caralho, King Geedorah É FODA DE-MA-IS!

Bom, muita gente que ouve o DOOM não sabe desse alter-ego dele. Não que seja um privilégio, mas a capa do disco é totalmente foda do habitual, os samples, os sintetizadores, os instrumentais.

“King Geedorah, Take me to your leader!”.

Ouçam “Fazers”, o violino arranhado, o sample que parece uma música apocaliptica e sejam felizes demais.
MM Food, 2004

Se você nunca ouviu “Hoe cakes” e “One  beer” (ONE BEER!!), volte duas casas, que eu não vou me aprofundar. Como diria um MC mascarado que se preze: “Average MCs his like a TV Blooper. MFDOOM his like a D.B Cooper!”.

Deguste!

 
SADEVILLAIN, 2016

A voz suave de SADE, as rimas metafóricas de DOOM, samples de Jazz. Lançamento não oficial, que surgiu em 2016, sendo, então, o último trabalho do MC até agora. Vale conferir, para, como disse acima, ver o cara em ação em outro tipo de universo musical. Particularmente acho uma combinação foda, e uma chance de ouvir o DOOM enquanto se está curtindo um momento a dois, hehehe

DangerDOOM, 2005

MFDOOM e Danger Mouse, histórias em quadrinho, combinação foda. Não é dos meus favoritos do MC, mas sempre vale conferir por si mesmo o rato e a mascara em ação!

NeruhVillain, 2014

 

Bishop Nehru foi muito falado por um tempo, apadrinhado por alguns dos mais renomados MCs da velha escola. Mas ainda não tem se ouvido muito falar do moleque pela cena. Achei o EP de estreia muito bom, e confesso que essa colaboração com o DOOM ainda tocou pouco em meus fones. Fica a dica para ouvirem, e fica a cobrança para que eu escute com mais atenção. Prometo que volto aqui para fazer alguns comentários no post.

Viktor Vaughn, 2003

Um projeto conjunto entre Doom e Sound-Ink, o enredo do Vaudeville Villain segue a vida cotidiana do super-vilão / beat cientista / traficante de drogas / kid Vik Vaughn. Assim segue mais uma das mil faces do Metal Face.

 

 

Pra finalizar, a prova de que MFDOOM é um dos MCs mais amados do mundo: Mos Def fazendo cosplay de Metal Face, num clipe (muito engraçado, hahahahahaha) de “All Caps”.

 

 

20 anos de “Sobrevivendo no Inferno”

” 60 por cento dos jovens de periferia sem antecedentes criminais á sofreram violência policial. A cada quatro pessoas mortas pela policia, três são negras.
Nas universidades brasileiras apenas 2 por cento dos alunos são negros.  A cada quatro horas, um jovem negro morre violentamente em São Paulo
Aqui quem fala é Primo Preto, mais um sobrevivente”

 

No final de 1997, era lançado o que, pra mim, é o maior álbum da história do RAP Nacional – e que talvez nada o supere em questão de importância ou qualidade, numa época em que ninguém dava atenção ao som que vinha das favelas do Brasil.

 

“Sobrevivendo no Inferno” foi o quinto álbum de estúdio lançado pelos Racionais MC’s. Antes disso, o grupo já tinha uma reputação de 10 anos na cena underground, onde o RAP, em quase sua totalidade, existia. O disco foi o maior divisor de águas dentro da cena e o primeiro a romper as barreiras do “subterrâneo”, e a atingir um conhecimento dentro da cena mainstream da música, chegando até a MTV e outros canais, passando da marca de 1,5 milhões de cópias vendidas na época do lançamento. Tudo isso de forma totalmente independente.
Mas, antes de falar sobre o disco de forma técnica, ou fazer uma resenha sob a ótica musical, acho importante dizer o quanto esse disco é importante pra mim, de forma sentimental, ou com relação a minha vida e iniciação ao RAP:

“O ano era 98, 7 anos de idade, meu pai trabalhava em um shopping na Avenida Paulista. Ele tinha um amigo, que tinha um Chevette (eu amo Chevette demais, espero que a fotografia de RAP me de granas pra comprar um, hahahaha), e sempre tocava nesse carro uma fita k7, com uma batida forte e umas letras que, na época, me apavoravam. Sempre que eu ia dar um rolê com meu coroa depois do trabalho, eu estava nesse carro, ouvindo essa mesma fita. Até que, um dia, perguntei ao amigo dele do que se tratava, e ele me mostrou uma capa preta, com uma cruz no meio e letras que eu – ainda, não entendia.

 

Capa criada pelo artista Marcos Marques.

 

Chegando em casa, um dia, disse que queria demais essa fita. Enchi o saco dos meus pais, até que eles me deram uma grana – algo em torno de 5 reais, para comprar a fita. Só que havia um porém: Meu primo também amava essa fita, e a única banca do bairro que vendia, tinha apenas uma fita. Decidimos, eu e meu primo, apostarmos corrida até a banca, para decidir quem ficaria com ela. Eu venci, e comprei a fita.

 

Nunca soube por onde ela se perdeu nesses 20 anos depois do episódio. Mas tenho uma lembrança maravilhosa dessa época, do que vivia, do mundo como era, do prazer que existia em ouvir RAP num toca-fitas e coisas do tipo. Deixo aqui registrado meu agradecimento ao meu pai e ao amigo dele, por me introduzirem, sem saber, ao mundo do RAP.”

 

Passada minha história ~lindinha~, gostaria de fazer algumas observações sobre o disco e desenrolar a resenha falando um pouco mais do trabalho.

 

“Sobrevivendo no Inferno” é o álbum mais aclamado dos Racionais por diversos motivos. Além de ter sido o grande boom para o grupo, concretizando o posto deles como o grupo mais importante da história do RAP Nacional, ele trás uma produção impecável do KL Jay. Nomes como Isaac Hayes, The L.A Express, Edwin Starr, Curtis Mayfield, Tim Maia, Bar-Keys, entre vários outros figuram entre as amostras usadas pelo DJ e produtor para compor o disco.  As batidas, sempre muito agressivas, assemelhando ao Gangsta RAP americano, contrastam com os samples da velha escola do soul, funky, blues, o que eu acho foda pra caralho.

 

Difícil para mim, que sempre tive um apreço maior por batidas do que por letras, escolher qual delas eu mais gosto, percebo que todas foram feitas de forma muito estudada e nenhuma delas se parecem nesse disco, apesar da temática uniforme. Mas, andar de Opala ouvindo “Capítulo 4, Versículo 3” é quase um orgasmo auditivo. Outra música importante pra caralho é “Rapaz Comum”, um relato incrível da criminalidade, visto em primeira pessoa pelo Edy Rock, sendo essa, pra mim, a melhor letra do Cocão, de todos os tempos. O boombap tomou novas formas nesse disco, saindo do padrão de batidas de marcações “quadradas” (o que não é uma critica, mas uma forma que algumas batidas eram feitas no Brasil, nessa época, na questão do sequenciamento da bateria), para coisas mais elaboradas, com uma pegada mais quebrada, enfim, o padrão foi quebrado com primazia.

 

Ou seja, é um álbum para se ouvir do começo ao fim, sem ter a sensação de que as coisas foram feitas todas da mesma forma, Até porque, estamos falando de KL Jay, amigos.

 

Com relação as rimas, pode ser até algum clichê falar da qualidade e do storytelling que tem os integrantes do grupo, mas devemos frisar que, em 1997, a taxa de homicídio em São Paulo era a terceira maior da América Latina, e um jovem do bairro Capão Redondo tinha 12 vezes mais chances de morrer, segundo dados no site RAP Genius. A crueldade da polícia com a população das favelas era extrema. No mesmo ano do lançamento do álbum houve o caso da chacina na Favela Naval, em Diadema/SP, que ficou conhecido no Brasil todo. Foi um disco que retratou isso, onde a mídia jamais fez questão de entrar é contar a história daquelas pessoas. Foi um disco que escancarou problemas que os negros sofrem no Brasil desde que aqui pisaram pela primeira vez. Não apenas os negros, mas os jovens de toda a periferia, não apenas em São Paulo, até porque “Periferia é periferia, em qualquer lugar a gente morre”. Em 2007 a Revista Rolling Stones elegeu o disco como o 14º melhor álbum da musica brasileira.

 

Nessa lista, além desse disco, temos também “Nada como um dia após o outro dia”, também dos Racionais. Com isso, podemos ver como era o cenário da época, não só para o RAP, mas para toda a cultura preta e periférica.

 

Passando por letras que trazem os poucos momentos de alegria, curtição dos negros e favelados da época, retratada em “Qual mentira vou acreditar”, os moleques perdidos na cola em “Magico de Oz”, os amigos que se foram, a vivência nas quebradas e nostalgia em “Formula Mágica da Paz”, entre muitos e muitos clássicos presentes no disco.

“Sobrevivendo no Inferno” é um documento histórico de como viviam, e de como eram mortos os jovens das comunidades carentes – o que o RAP nunca deveria deixar de ser.

Para quem ainda não conhece o disco OUÇAM o quanto antes e peguem o Asè dos Deuses do RAP Nacional.

A 4ª edição da Festa PUNGA foi foda – e estavamos lá!

19 de março foi dia de mais um Punga. Foi a quarta edição do evento e já fica evidente ser algo grande na cena, sendo cada vez mais comentada e aguardada, e tendo mais possibilidade de grandes nomes do cenário hip-hop marcando presença, e também a possibilidade de vitrine para quem está começando.
Nesta edição, o aniversariante Augusto Oliveira convidou a Drik Barbosa, o ponta de lança Rincón Sapiência, o grupo 5 pra 1 e o Rico Dalasam, tivemos também a felicidade de curtir sons de qualidade tocados pelos DJ’s Minizu, Beans, Will e Mind.
O Punga continua sendo uma ótima oportunidade de curtir um bom som em um lugar agradável que é a Casa da Luz, a proporção é de mais edições com ótimos nomes do rap.

Confiram abaixo algumas fotos do evento. AS demais estão na página do blog, no facebook.